Managing partner da VdA subscreve guia do CEO sobre direitos humanos

João Vieira de Almeida juntou-se a 37 líderes nacionais e subscreveu o guia do CEO sobre direitos humanos. O guia foi lançado em junho pela Business Council for Sustainable Development Portugal.

O managing partner da sociedade de advogados Vieira de Almeida & Associados, João Vieira de Almeida, subscreveu o guia do CEO sobre direitos humanos. O advogado junta-se assim a 37 líderes empresariais nacionais no apoio à promoção dos direitos humanos.

O guia, lançado em junho, pelo Business Council for Sustainable Development (BCSD) Portugal, promove um maior envolvimento da gestão das empresas na melhoria das condições de vida dos colaboradores e das comunidades. Entre as empresas signatárias encontram-se a Altri, Brisa, Caixa Geral de Depósitos, CTT, Deloitte Portugal, EDP, Everis Portugal, Galp, Jerónimo Martins, Metropolitano de Lisboa, Millennium BCP, NOS, REN, SONAE e The Navigator Company.

O respeito pela dignidade humana é um princípio que deve presidir a todas as relações, incluindo as que têm lugar na esfera empresarial. Num mundo em que vivemos situações de risco permanentes, quer no plano ambiental, com a emergência climática, quer no plano social, com as migrações, apenas para dar alguns exemplos, é crucial que as empresas integrem o respeito pelos direitos humanos na gestão responsável do seu negócio e potenciem os impactos positivos que podem ter na sociedade”, afirma João Castello Branco, CEO da The Navigator Company e presidente do BCSD Portugal.Desenvolver relações de respeito e equidade com todos os seus parceiros, desde os colaboradores às comunidades envolventes, e prevenir situações de risco para os direitos humanos na sua cadeia de valor, é da maior importância neste contexto”, nota, em comunicado.

A BCSD Portugal é uma associação sem fins lucrativos, que agrega e representa mais de 90 empresas de referência em Portugal, que se comprometem ativamente com a transição para a sustentabilidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Managing partner da VdA subscreve guia do CEO sobre direitos humanos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião