Só três em cada dez estudantes portugueses acaba licenciatura em três anos. Muitos não terminam, diz a OCDE

Portugal está acima da média da OCDE no que diz respeito ao número de jovens que escolhem avançar para o ensino superior, mas menos de um terço termina os estudos em três anos. E 26% desistem.

Ainda que uma fatia considerável dos jovens portugueses escolha seguir para a universidade, ainda são poucos os estudantes a concluir os seus estudos. De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), mais de quatro em cada dez alunos portugueses com idades entre os 19 anos e os 20 anos avançam para o ensino superior, mas menos de um terço dos estudantes termina o curso no prazo esperado, três anos. E um quarto não chega a concluir os estudos, estima a OCDE

“Apesar das taxas de matrícula elevadas, o ensino superior em Portugal ainda sofre com baixas taxas de conclusão“, sublinha a OCDE, na versão mais recente do relatório “Education at a Glance”. De acordo com a organização liderada por José Ángel Gurría, por terras lusitanas, 41% dos jovens inscrevem-se em cursos superiores, taxa que fica acima da média registada nos demais Estados-membros (37%).

É na Coreia do Sul, na Rússia e na Eslovénia que se verifica a a maior percentagem de jovens dessa faixa etária a prosseguir estudos. No outro lado do espetro, está o Luxemburgo, a África do Sul e a Islândia. Portugal fica a meio da tabela, com 18 países acima dos seus 41% e 23 países abaixo.

Portugal está acima da média da OCDE na percentagem de jovens (19 a 20 anos) que se inscrevem no ensino superior.OCDE

No que diz respeito à conclusão desses estudos, o cenário inverte-se: apenas 30% estudantes universitários portugueses acabam a licenciatura no prazo esperado (três anos), valor que compara com os 39% fixados como média da OCDE. Se estendermos o prazo analisado para seis anos, a percentagem de jovens lusos que conclui o curso cresce significativamente (para 65%), mas fica, ainda assim, abaixo da média da organização (67%). Estes números revelam que existe uma elevada percentagem de universitários portugueses que nunca chega a terminar a licenciatura.

Numa análise por género, é possível ainda perceber que a percentagem de estudantes mulheres a terminar os estudos é superior à dos homens, tanto no prazo a três anos (35% das mulheres contra 23% dos homens) como a seis anos (73% das mulheres contra 55% dos homens).

É no Reino Unido (72%), na Irlanda (63%), na Lituânia (61%) que uma maior percentagem de estudantes universitários termina os seus cursos dentro do prazo esperado. Por outro lado, no Chile (16%), na Eslovénia (24%) e na Áustria (16%), este desafio ainda é mais acentuado do em Portugal, sendo menores as fatias de alunos que acabam as licenciaturas em três anos.

Segundo a OCDE, esta tendência registada em Portugal está ligada, em parte, ao sistema que determina que candidatos são colocados e que candidatos são rejeitados. “Apesar do sistema do seletivo sistema de admissão, apenas uma fatia comparativamente pequena (11%) de candidatos a licenciatura são rejeitados“, nota-se no relatório publicado esta terça-feira. A organização salienta que, nos países onde o acesso ao ensino superior é mais fácil (como o português), os estudantes “podem precisar de mais tempo” para corresponder aos padrões e exigências das instituições de ensino, o que ajuda a explicar o “atraso” na conclusão dos estudos.

Esse prazo mais alargado faz aumentar, por outro lado, o risco de desistência, daí que a taxa conclusão seja mais baixa por terras lusitanas. No mesmo sentido, a OCDE indica que, em Portugal, 12% dos estudantes deixam a licenciatura em que se inscreveram ainda antes do início do segundo ano. “Ao fim de seis anos, a percentagem de estudantes que não concluem o curso aumenta para 26%, valor que compara com a média de 24%”, é frisado no “Education at a Glance”.

Apesar deste cenário, a OCDE indica que, na última década, a fatia de adultos portugueses (25 anos a 64 anos) com curso superior aumentou consideravelmente, representando agora 25% desse grupo. Portugal está, ainda assim, atrás do comboio, já que a média está fixada nos 40%.

Além disso, a percentagem de mestrandos em Portugal (33% de todos os alunos do ensino superior) é mais elevada do que a média da OCDE (16%), acontecendo o mesmo com os doutorandos (6% em Portugal contra 2% na OCDE).

A OCDE salienta, além disso, que são as áreas da engenharia, construção, gestão, administração e direito aquelas que são preferidas pelos estudantes que prosseguem estudos, estando esses setores associados a perspetivas remuneratórias mais elevadas.

Comentários ({{ total }})

Só três em cada dez estudantes portugueses acaba licenciatura em três anos. Muitos não terminam, diz a OCDE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião