Jerónimo de Sousa quer 1% do Orçamento para a Cultura e responde a Catarina Martins

  • Lusa
  • 15 Setembro 2019

O líder do Partido Comunista Português (PCP), Jerónimo de Sousa, quer que 1% do Orçamento do Estado seja para a área da Cultura. E responde às últimas declarações da líder do BE, Catarina Martins.

Jerónimo de Sousa juntou-se este domingo a centenas de turistas na visita ao Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, e, como líder do PCP, defendeu um por cento do Orçamento para a Cultura. Além disso, respondeu a Catarina Martins, que disse numa entrevista que o voto útil para evitar uma maioria absoluta do PS é no BE.

A três semanas das eleições legislativas, Jerónimo de Sousa prometeu bater-se por uma “proposta estrutural de reforço das verbas para a Cultura” para que esta área tenha 1% do Orçamento do Estado. “Com o reforço da verba orçamental, podemos não conseguir dar as respostas todas, mas encontraremos as respostas mais urgentes para a cultura, para o nosso património, para os museus”, disse.

Jerónimo de Sousa recordou ainda que, no anterior governo PSD-CDS, foram cortadas verbas para a cultura e que foi “nesta nova fase da vida política nacional”, uma medida com o apoio do PCP, que se retomou “o princípio da gratuidade da visita aos museus aos domingos e feriados”.

Os comunistas estão também preocupados com a necessidade de pessoal dos museus, à medida que os profissionais mais velhos, com mais conhecimentos e memória, forem saindo para a reforma.

Voto útil é no BE? Catarina Martins “lá saberá porque é que diz”

O secretário-geral do PCP respondeu ainda com um sorriso à posição do Bloco de Esquerda de que o voto útil à esquerda contra a maioria absoluta do PS é nos bloquistas e pediu um reforço da votação na CDU.

Questionado sobre o que pensa da afirmação de Catarina Martins de que o voto útil dos socialistas nas legislativas de 6 de outubro que não querem maioria absoluta do PS é no BE, Jerónimo de Sousa respondeu: “Não acho nem deixo de achar. O Bloco lá saberá porque é que diz ou não”.

Depois de uma visita matinal ao Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, o líder dos comunistas insistiu no reforço da votação na CDU, a coligação integrada pelo PCP, PEV e independentes, para travar uma eventual maioria absoluta dos socialistas e enumerou alguns riscos.

Se ficar “de mãos livres” após as eleições, Jerónimo de Sousa afirmou-se preocupado que o PS “negue algumas das alterações positivas que se verificaram na vida dos portugueses” nos últimos quatro anos, durante o governo minoritário do socialista António Costa, com o apoio parlamentar da esquerda.

O secretário-geral comunista deu o exemplo das declarações à TSF do ministro das Finanças, Mário Centeno, a defender uma maioria absoluta para “conseguir mais rápido os objetivos” do Governo.

A coordenadora bloquista, Catarina Martins, defende que nas eleições legislativas o voto útil dos socialistas que não querem maioria absoluta é no BE, considerando que o crescimento do partido que lidera “pode ser o fator decisivo” para a impedir.

As maiorias absolutas foram um dos temas da entrevista de Catarina Martins à agência Lusa, na qual a líder do BE insiste na ideia de que “uma maioria absoluta é perigosa”, até “pelas experiências passadas” que Portugal teve com este tipo de resultado eleitoral, um perigo que “toda a gente reconhece”, incluindo o primeiro-ministro, António Costa.

“Se há um voto útil dos socialistas que não querem maioria absoluta nestas eleições é no Bloco de Esquerda”, sugere.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo de Sousa quer 1% do Orçamento para a Cultura e responde a Catarina Martins

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião