Cofina/TVI: Presidente da Altice vê negócio com tranquilidade mas “triste” por Portugal “perder 200 milhões”

  • Lusa
  • 16 Setembro 2019

Altice vai avaliar se concentração Cofina/Media Capital justifica “recuperar um projeto” de produção de conteúdos, depois de há um ano ter desistido da compra da Media Capital.

O presidente da Altice disse que vê com tranquilidade a compra da Media Capital pela Cofina e que o grupo não irá “estorvar”, mas que “como português” está “triste” por Portugal “perder 200 milhões de euros num ano”.

“[Olhamos] com expectativa, com olhos de espetador apenas (…) Estamos a observar com tranquilidade. É uma convergência aparentemente estritamente no setor dos ‘media’ e aí não somos um ‘player’ ativo hoje, ainda, pelo menos de relevo”, afirmou Alexandre Fonseca numa conversa com jornalistas, em Lisboa.

Contudo, disse, a Altice irá avaliar se este movimento poderá levar a empresa a “recuperar um projeto” de produção de conteúdos, depois de há um ano ter desistido da compra da Media Capital.

O processo de compra da dona da TVI pela Altice, por 440 milhões de euros, caiu por terra em junho do ano passado, quando o grupo espanhol Prisa, dono da Media Capital, confirmou a desistência do negócio. Alexandre Fonseca voltou a criticar a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante meses não se ter pronunciado sobre o negócio.

O presidente da Altice disse ainda que “como português” está “triste” por Portugal “perder 200 milhões de euros num ano”, referindo-se ao facto de a Altice ter oferecido 440 milhões de euros pela Media Capital e hoje fontes do mercado indicarem que a compra da Media Capital pela Cofina dever ficar por cerca de metade desse valor.

“Portugal é um país para onde 200 milhões de euros é muito dinheiro. Não podemos dar-nos ao luxo de perder 200 milhões de euros só porque alguma entidade não teve capacidade de esse pronunciar”, afirmou.

Alexandre Fonseca afirmou ainda que a Altice continua à procura de oportunidades de negócio na áreas dos conteúdos, uma vez que a área de ‘media’ é estratégica para o grupo.

“O grupo Altice continua a observar a área dos ‘media’ como uma área que acha convergente com aquilo que é o nosso caminho enquanto estratégia de diversificação de portefólio. Vamos continuar atentos, mas sem estorvar, não podemos entrar naquela lógica que às vezes é muito latina ‘se não posso jogar à bola, ninguém joga’”, disse.

Depois de o Expresso ter dado conta das negociações, no dia 14 de agosto, a Cofina confirmou que estava a negociar com a Prisa a compra da Media Capital, dona da TVI, e um dia depois coube à empresa espanhola confirmar que estava em negociações em regime de exclusividade com a dona do Correio da Manhã.

Em 16 de agosto, a Cofina adiantou estar a negociar com a Prisa a aquisição da Vertix, que detém 94,69% da Media Capital, admitindo lançar uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a dona da TVI.

No mesmo dia, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) manifestou-se “preocupado” com o impacto de uma eventual compra da Media Capital pela Cofina, “nomeadamente no que respeita à concentração dos ‘media’” e à manutenção dos postos de trabalho.

“A excessiva concentração dos ‘media’ tem repercussões ao nível da pluralidade e qualidade da informação e, nesse sentido, o SJ considera que a Entidade Reguladora para a Comunicação Social tem de se pronunciar rapidamente sobre o negócio em curso”, refere o sindicato, em comunicado.

A Cofina detém Correio da Manhã, CM TV, Sábado, Record, Jornal de Negócios, entre outros.

Por sua vez, a Media Capital detém os canais TVI, a rádio Comercial, entre outros meios.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofina/TVI: Presidente da Altice vê negócio com tranquilidade mas “triste” por Portugal “perder 200 milhões”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião