Ao segundo dia, petróleo alivia à espera da recuperação da Arábia saudita

Após fortes ganhos na última sessão causados pelo ataque de drones à Saudi Aramco, o mercado petrolífero alivia. Governo saudita poderá anunciar ainda esta terça-feira o plano de recuperação.

O preço do petróleo começa a ceder após os fortes ganhos da última sessão. Ainda a recuperar dos ataques de drones a duas refinarias da petrolífera estatal do reino saudita Saudi Aramco, a matéria-prima recua nos mercados internacionais. Ainda esta terça-feira, poderá ser conhecido o plano de ação do país, que é o maior produtor de petróleo do mundo.

“O pensamento chave é se este é um choque petrolífero ou uma disrupção de curto prazo?”, afirmou Virginie Maisonneuve, chief investment officer da Eastspring Investments, em declarações à Bloomberg. “Estamos a assistir a uma atitude de esperar para ver e é por isso que os mercados estão bastante nervosos“.

O brent negociado em Londres, referência para as importações europeias, segue a desvalorizar 0,5% para 68,66 dólares por barril, depois de na última sessão ter disparado 12%. Já o crude WTI, de Nova Iorque, recua 0,9% para 62,33 dólares por barril, após uma valorização de 15% ontem. Ambas as matérias-primas chegaram a recuar 2% no início da manhã.

O ataque, que foi reivindicado pelos rebeldes Huthis do Iémen (que são apoiados politicamente pelo Irão), atingiu a maior instalação de processamento de petróleo do mundo e um grande campo de petróleo, provocando grandes incêndios numa zona vital para o fornecimento global de energia. O fornecimento de petróleo da Arábia Saudita sofreu um corte para metade (cerca de 5,7 milhões de barris diários).

Enquanto vários países (incluindo a própria Arábia Saudita, mas também os EUA ou até Portugal) já se disponibilizaram para usar reservas de emergência, a Saudi Aramco poderá enfrentar semanas ou até meses até conseguir recuperar a produção.

O ministro da Energia saudita, o príncipe Abdulaziz bin Salman, marcou uma conferência de imprensa para as 16h (hora de Lisboa), onde irá falar sobre o plano de recuperação da produção.

“Todos os olhos estão virados para a conferência de imprensa saudita. É necessária uma avaliação dos danos apropriada e precisamos de ver um plano de recuperação. Antes disso, não se poderá realmente saber quanto petróleo estará fora do mercado e por quanto tempo. É basicamente esta a questão que se tem colocado desde sábado”, sublinhou Samuel Ciszuk, founding partner da ELS Analysis, à Reuters.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ao segundo dia, petróleo alivia à espera da recuperação da Arábia saudita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião