Altice e Universidade de Coimbra criam centro de investigação

  • Lusa
  • 19 Setembro 2019

O centro de investigação que será gerido pela Universidade de Coimbra e pela Altice Labs disporá de instalações próprias que deverão ficar concluídas no prazo de nove a 12 meses.

A Universidade de Coimbra (UC) e o grupo Altice formalizaram esta quinta-feira uma parceria para a criação de um laboratório científico-tecnológico na cidade.

O centro de investigação, que será gerido pela Universidade e pela Altice Labs, sediado provisoriamente no Polo II da Universidade, disporá de instalações próprias, igualmente nesta área da UC, que deverão ficar concluídas no prazo de nove a 12 meses, foi adiantado na sessão.

O protocolo hoje assinado, que surge na sequência da cooperação que tem vindo a ser desenvolvida entre as duas entidades, é “apenas o primeiro passo”.

“Para a seguir, sermos capazes de produzir efetivamente valor, projetos, iniciativas que sejam disruptivas do ponto de vista tecnológico”, disse aos jornalistas, à margem da sessão de assinatura do acordo, hoje, na Sala do Senado da UC, o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca.

“Iremos selecionar criteriosamente quais os projetos e áreas de atuação [em telecomunicações e sistemas de informação] que serão focadas aqui”, em Coimbra, adiantou Alexandre Fonseca, recordando que a Altice Labs, além do centro de inovação em Aveiro, “já está em Viseu e na Madeira” e que “vai estar em breve no Algarve [em Olhão] e nos Açores”.

O laboratório em Coimbra “terá também algumas áreas específicas de trabalho em que se irá focar”, referiu.

Numa primeira fase, o investimento da empresa no laboratório da UC, será, naturalmente, “indexado aos projetos”, acrescentou o presidente da Altice Portugal, destacando que áreas como as dos sistemas cognitivos, da inteligência artificial ou do estudo de algoritmos e modelos estatísticos são “muito complexas” e às quais é necessário “alocar muitos recursos, nomeadamente computacionais”.

De acordo com “dados oficiais”, a Altice investiu “em Portugal, no último ano, 86 milhões de euros em inovação” e “nos últimos nove anos consecutivos” aplicou cerca de “meio milhão de euros, por ano, na relação com a academia, com as universidades”, para “montar laboratórios como este” em Coimbra, destacou Alexandre Fonseca.

De todo o modo, “o investimento [em Coimbra] será muito indexado à capacidade produtiva que se conseguir alocar de parte a parte”, reforçou o responsável, assegurando que da parte da Altice “existe o empenho de dotar o laboratório com as condições necessárias, de trazer para cá os seus investigadores”, designadamente do centro de Aveiro.

“Quantos mais projetos, quantos mais resultados, maior será o investimento, mas estaremos sempre a falar de valores que se medem na casa das centenas de milhares de euros anualmente”, concluiu Alexandre Fonseca, salientando que “a ciência e a tecnologia implicam investimentos avultados”.

O novo laboratório também faz parte da estratégia da UC, que está empenhada em desenvolver a relação da academia com o tecido empresarial, sublinhou, por seu lado, o reitor, Amílcar Falcão, reconhecendo que “há um défice entre o que a investigação faz em Coimbra e aquilo que transfere para as empresas”.

Para o reitor da UC, esse desfasamento resulta de diversas circunstâncias, desde logo porque “normalmente a noção de tempo da universidade é diferente da das empresas”, sendo, por isso, necessário “criar laços de maior proximidade, de ajustamento das noções de tempo”.

Na sessão também intervieram o diretor-geral da Altice Labs, Alcino Lavrador, e responsáveis da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, diretamente envolvida neste protocolo, que, entretanto, poderá ser alargado a outras faculdades da Universidade de Coimbra.

Com mais de 700 profissionais “altamente qualificados” no seu centro de inovação em Aveiro, a Altice Labs trabalha na investigação e desenvolvimento de soluções avançadas de telecomunicações e de sistemas de informação, tendo clientes em 35 países.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice e Universidade de Coimbra criam centro de investigação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião