ASF confirma que mediadores vão poder continuar em atividade

  • ECO Seguros
  • 19 Setembro 2019

Esclarecendo dúvidas, a autoridade supervisora confirma que os atuais mediadores, desde que registados, podem exercer a sua normal atividade e explica os processos e prazos de formação.

A ASF prestou esclarecimentos adicionais a pedido de ECOseguros em relação a matérias pontuais relacionada com a Norma Regulamentar n.º 6/2019-R, de 3 de setembro, recentemente divulgada.

Assim, para quando será obrigatório os mediadores disporem de qualificações de acordo com as novas regras da formação?

A resposta da ASF com esclarecimentos adicionais foi:

  • Após a entrada em vigor da Norma Regulamentar n.º 6/2019-R, de 3 de setembro as entidades formadoras cujos cursos foram já reconhecidos ao abrigo do regime jurídico da distribuição de seguros e de resseguros, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2019, de 16 de janeiro, não necessitam de qualquer reconhecimento adicional.
  • As entidades formadoras cujos cursos foram reconhecidos ao abrigo do Decreto-Lei n.º 144/2006, de 31 de julho, e que constavam da lista de cursos reconhecidos pela ASF que pretendam reconverter tais cursos, dispõem de um prazo de seis meses a partir da entrada em vigor da presente norma regulamentar para apresentar o pedido de alteração à ASF. Se os cursos estiverem já a decorrer nessa data, o pedido deve ser apresentado antes da realização da prova escrita presencial de avaliação final.
  • Quanto a cursos novos, não existe uma data limite para a submissão à avaliação da ASF, embora a partir da data de produção de efeitos da presente norma regulamentar, os cursos sejam reconhecidos ao abrigo do novo regime.
  • Quanto aos cursos de formação e aperfeiçoamento profissional contínuo, como o regime anterior não os regulava, ao contrário do que sucede no regime agora aprovado, também não existe um prazo para a apresentação de um pedido de inscrição à ASF, ficando dependente da decisão das entidades formadoras a oportunidade de oferecerem estes cursos no mercado.
  • As entidades formadoras que já ministrem cursos de seguros reconhecidos pela ASF não necessitam de pedir reconhecimento adicional para efeito de formação e aperfeiçoamento profissional contínuo.
  • Também no que toca à conformação com os requisitos de qualificação adequada não existe uma data limite para a apresentação de um pedido de reconhecimento previsto no novo regime jurídico da distribuição de seguros e de resseguros.
  • Nos processos referentes aos cursos de formação inicial (novos ou de reconversão) ou de conformação, as entidades formadoras apresentam à ASF o plano de curso que inclui o número total de horas de duração, o plano curricular detalhado, informação sobre os meios humanos, técnicos e logísticos de que a entidade dispõe para a formação, regras de controlo da assiduidade dos formandos e da respetiva avaliação.
  • O preenchimento pelo curso dos requisitos definidos legal e regulamentarmente, é avaliado por uma comissão técnica que integra um representante designado pelas associações de empresas de seguros, pelas associações de entidades gestoras de fundos de pensões, pelas associações de mediadores de seguros e dois representantes designados pela ASF, um dos quais preside à comissão, emitindo o respetivo parecer fundamentado em conformidade.
  • O pedido de reconhecimento é apreciado no prazo máximo de 45 dias contados a partir da data da receção do requerimento, ou da receção dos elementos ou informações complementares solicitadas no âmbito da sua apreciação pela ASF ou pela comissão técnica.
  • Já nos processos referentes aos cursos de formação e aperfeiçoamento profissional contínuo, as entidades formadoras apresentam o pedido à ASF de inscrição na lista de entidades reconhecidas, acompanhado de comprovativo do preenchimento dos respetivos requisitos, sendo este pedido apreciado pela ASF num prazo máximo de 15 dias úteis contados a partir da data da receção do pedido.

Neste momento, os mediadores de seguros, desde que registados junto da ASF, podem continuar a exercer atividade, confirma a ASF.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ASF confirma que mediadores vão poder continuar em atividade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião