Siza: “Temos de ser eficientes para que as poupanças sejam aplicadas no mercado de capitais”

O ministro Adjunto e da Economia lembrou que Portugal é um "país de capital escasso e onde houve grande destruição do capital", na entrega dos IRGAwards.

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, acredita que continuam a ser necessários incentivos para que as poupanças das famílias sejam direcionadas para o financiamento do tecido empresarial. Lembrando a criação de novos instrumentos ao longo da legislatura que termina no próximo mês, sinalizou intenção de continuar o curso da inovação e mudanças regulatórias.

“O mercado de capitais passou por momentos de grande exuberância, mas também momentos difíceis de destruição. Este momento em que temos menos empresas no mercado e em que as poupanças dos portugueses têm dificuldade em direcionar-se para o mercado, é mais importante estar presente nestes prémios”, começou por dizer Siza Vieira.

O ministro falava na entrega dos Investor Relations & Governance Awards (os IRGAwards) da Deloitte, numa iniciativa que teve lugar esta quinta-feira em Lisboa, e premeia a liderança empresarial. Segundo Siza Vieira, a transparência é uma das condições necessárias para a dinamização do mercado e captação de capitais.

Portugal é um país de capital escasso e onde houve grande destruição do capital. Se queremos assegurar que as poupanças são aplicadas, temos de melhorar as condições do mercado e as condições de transparência“, referiu. “Temos de ser eficientes para que as poupanças dos portugueses sejam aplicadas no mercado de capitais. Espero que o exemplo possa fortificar para construir um mercado mais credível”.

O ministro sublinhou que o tecido empresarial em Portugal estão excessivamente dependentes da banca e que é necessário adaptar os instrumentos disponíveis para o financiamento das empresas, bem como simplificar a regulação.

Siza Vieira lembrou a criação das Sociedades de Investimento para o Fomento da Economia (SIMFE) e das Sociedades de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI) — ambas iniciativas deste Governo –, bem como o crescimento do interesse na emissão de green bonds. “Todas estas são formas de encontrar formas de financiamento mais próximas do nosso tecido empresarial“, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza: “Temos de ser eficientes para que as poupanças sejam aplicadas no mercado de capitais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião