Azeite orgânico da Herdade Maria da Guarda ruma aos EUA

A Herdade Maria da Guarda, um dos maiores produtores de azeite em Portugal, acaba de assinar um acordo para exportar 300 toneladas de azeite orgânico para a California Olive Ranch.

É um dos maiores produtores de azeite em Portugal. Com mais de 1,3 milhões de oliveiras plantadas, numa área superior a 700 hectares, a Herdade Maria da Guarda produz, só no Alentejo, cerca de dois milhões de quilos de azeite por ano, o que equivale a 2% da produção nacional. A Herdade, que conta com quase dois séculos e meio de existência, acaba de fechar um acordo para o fornecimento de azeite a granel, com a empresa norte-americana California Olive Ranch, no valor de um milhão de euros. Esta será a estreia do azeite da casa agrícola no mercado norte-americano.

Com este protocolo, a Herdade Maria da Guarda vai exportar para os EUA — mais concretamente para a Califórnia cerca de 300 toneladas de azeite, o que representa aproximadamente 15% a 20% da produção total. “Este é um acordo que, além de abrir portas para os EUA por traduzir um importante passo para a Herdade Maria da Guarda, também representa uma vitória para uma empresa europeia ao entrar num mercado difícil como o norte-americano“, conta ao ECO João Cortez de Lobão, CEO da Herdade Maria da Guarda.

O azeite português da Herdade Maria da Guarda será exportado para a Califórnia e estará na origem de uma nova marca de azeite chamada “Destination Series”. Esta marca pertence à produtora e embaladora California Olive Ranch, que estabeleceu uma parceria com três países: Chile, Argentina e Portugal.

João Cortez destaca que o azeite produzido na Herdade Maria da Guarda, no Alentejo, não tem pesticidas nem produtos químicos, e que a empresa norte-americana fez uma série de análises para testar a qualidade do produto. Explica ao ECO que a California Olive Ranch “procura azeites orgânicos de primeira qualidade para vender nos EUA porque não têm produção suficiente para satisfazer toda a procura”.

Na Herdade Maria da Guarda é produzido azeite 100% virgem extra, “um azeite que não tem acidez e é muito valorizado pelo mercado”. Face ao destaque e, acima de tudo, à procura, João Cortez salienta que o “azeite já não é um condimento mas sim um ingrediente”.

Portugal é dos países que mais tem crescido na produção de azeite. Somos um exemplo internacional de qualidade.

João Cortez de Lobão

CEO Herdade Maria da Guarda

Na Herdade Maria da Guarda, toda a produção tem como destino o mercado externo, sendo a Itália o principal, com uma quota de 60%, seguido de Espanha e dos EUA. João Cortez destaca que azeite português tem vindo a ter uma maior procura internacional é muito fácil vendê-lo, tendo em conta a qualidade”. Conta que, na herdade, existem cerca de três mil oliveiras com idades compreendidas entre os 150 e os 200 anos.

Durante a campanha, que tem início em outubro e termina, no máximo, no início de janeiro, são produzidas entre 30 a 50 toneladas de azeite por dia. A herdade, localizada no Alentejo, tem capacidade para armazenar 1,2 milhões de quilos de azeite. João Cortez conta ao ECO que “Portugal é o país do mundo que tem a maior percentagem de azeite de alta qualidade na sua produção. Explica que “75% do azeite produzido em território nacional é de topo”.

Para além de colocar Portugal nas bocas do mundo, a Herdade Maria da Guarda está a contribuir para um ambiente mais saudável, uma vez que as 1,3 milhões de oliveiras plantadas produzem anualmente mais de oito toneladas de oxigénio para o país, conta com orgulho João Cortez.

A Herdade de Maria da Guarda está na família de João Cortez, acionista da marca, há mais de três séculos e, atualmente, emprega 40 colaboradores. João Cortez foi jornalista durante uma década, passou ainda pelo fundo de investimento Friends Villas Fischer Trust Investiments, nas Torres Gémeas em Nova Iorque, mas acabou por regressar, anos mais tarde, a Portugal. Trabalhou enquanto administrador de uma gestora de patrimónios do BCP e, em 2016, decidiu largar tudo para dedicar-se de corpo e alma ao negócio da família e “torná-lo mais rentável”.

A Herdade Maria da Guarda faturou, o ano passado, cerca de seis milhões de euros, um número que espera ver crescer este ano. João Cortez destaca que um dos objetivos é continuar a crescer no mercado dos EUA, encontrar oportunidades em outras geografias e “levar o nome de Portugal e do azeite português mais longe“, conclui o CEO da Herdade Maria da Guarda.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Azeite orgânico da Herdade Maria da Guarda ruma aos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião