“Portugal tem dos melhores vinhos do mundo, mas ainda não é reconhecido como destino de enoturismo”

  • Liliana Garcia
  • 20 Setembro 2019

Especialistas e empresários consideram urgente a valorização do produto turístico e o trabalho em rede para captar enoturistas. O baixo preço de venda é apontado como entrave para um posicionamento.

“Temos sentido que os mercados estão a ter cada vez mais procura de enoturismo. Portugal é reconhecido como melhor destino turístico do mundo, tem dos melhores vinhos do mundo, mas ainda não é reconhecido, internacionalmente, como destino de enoturismo. Temos de mostrar mais atratividade”, reconhece Lídia Moreira, do Turismo de Portugal, uma das participantes na mesa redonda “Investimento no Enoturismo”, que integrou a Conferência Novo Banco “Enoturismo no Dão: Um caminho para o Vinho e para o Turismo”, que se realizou esta quinta-feira, em Viseu.

A representante do Turismo de Portugal lembrou não só que “as nossas regiões vinhateiras atravessam todo o território”, mas também que o nosso país conta com três paisagens culturais vinhateiras que são Património Mundial da UNESCO: Alto Douro, Pico e Vale do Côa. E que, por isso, é essencial saber valorizar o produto turístico que se tem, através do “apoio a projetos que qualifiquem as pessoas”, bem como “estimular uma maior capacitação dos elementos do setor”, tendo em consideração que “os mercados procuram experiências”.

“Aquilo a que assistimos hoje é o surgimento dos millennials, desta nova geração que olha para o vinho como uma experiência, que valoriza as experiências”, observa Lídia Moreira, reconhecendo a importância de o enoturismo ir ao encontro das necessidades de mercado, como procura fazer a Santacastta, uma jovem empresa de animação turística dedicada, em exclusivo, ao turismo de experiências no Dão.

Luís Amaral, fundador deste negócio e outro dos convidados desta mesa redonda, admite a existência de “dificuldades” na criação de atratividade, mas acredita na força das parcerias. “Recuso-me a vender apenas a quinta, vendo a região. Dou a conhecer o Dão, cuja beleza não está à beira da estrada, como o Douro”, partilhou, defendendo a implementação de uma “enologia criativa”. “Dentro do país, não somos uma região com grande notoriedade, mas esta há de chegar. Aguardamos a grande explosão do Dão”, perspetiva.

Da mesa redonda fez ainda parte Diogo Rocha, chef do restaurante Mesa de Lemos, que chamou a atenção para aquele que considera ser um grande problema de base: “Portugal, infelizmente, tem vinho muito barato, o que nos coloca num lugar do enoturismo que nos fragiliza. O posicionamento no mercado do vinho não nos ajuda”.

Para além desta fragilidade, Diogo Rocha nomeia a ausência de trabalho em rede. “É preciso montar uma rede, juntarmo-nos para melhor vender a região. Mas, se fossemos bons no associativismo, as cooperativas em Portugal não estão como estão”, constata. Outro dos aspetos a melhorar, no entender do chef, é a capacitação dos recursos humanos: “Há a parte calorosa que distingue um projeto, mas tem de haver um fio condutor. É preciso estudar e dotar as pessoas de conhecimento técnico”. Para ir ao encontro destas necessidades, de acordo com Lídia Moreira, o Turismo de Portugal tem apostado nessa vertente, através do Enotur, “um programa para a formação de um referencial técnico para o enoturismo”.

Pedro Freitas, responsável pela Quinta do Medronheiro, também chamou a atenção para a importância do domínio do inglês, na apresentação do produto turístico, mas lembrou que mais importante que a língua é a hospitalidade sentida pelos enoturistas. “A apresentação tem de ser feita em Inglês, mas há algo que supera isso: o à vontade com que recebemos os turistas, o ambiente familiar e informal”.

Luís Ribeiro, administrador do Novo Banco, lembrou que a banca disponibiliza linhas de investimento para capitalizar o turismo, nomeadamente o enoturismo, desde que sejam apresentados projetos válidos. “Os bons projetos em Portugal têm o apoio dos bancos, desde que bem estruturados. Apoiar projetos com propósito é o propósito do Novo Banco” referiu durante este encontro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Portugal tem dos melhores vinhos do mundo, mas ainda não é reconhecido como destino de enoturismo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião