Turismo de voluntariado: viajar e… mudar o mundo

Ser um turista e um voluntário pode proporcionar-lhe umas férias diferentes. É uma oportunidade de conhecer outras culturas e destinos, enquanto marca a diferença no mundo.

Se está a pensar ter umas férias ativas, o turismo voluntário ou social pode ser uma opção, pois permite combinar a experiência do trabalho voluntário com a oportunidade de conhecer diferentes países e culturas. Esta nova modalidade de turismo exige entrega, compromisso e responsabilidade, mas pode ter resultados compensadores.

Antes de decidir, é importante ter em conta qual é a causa a que se destina, quem irá ajudar e como vai fazê-lo, assim como perceber exatamente de que forma poderá contribuir. Quando decidir, entre em contacto com a entidade que promove o programa de voluntariado para formalizar a sua inscrição e informar-se sobre todos os pormenores logísticos.

De acordo com dados do Inquérito ao Trabalho Voluntário, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística Instituto Nacional de Estatística (INE) em julho, a taxa de voluntariado em Portugal era de 7,8% em 2018. O ano passado, 695 mil pessoas com 15 ou mais anos participaram em atividades voluntárias sem remuneração. Na União Europeia, os búlgaros e os romenos são quem menos participa nestas atividades.

A Momondo, motor de busca de viagens, hotéis e voos reuniu algumas sugestões de destinos ideais onde é fácil encontrar programas de voluntariado.

  • Tailândia

Provavelmente, quando pensa na Tailândia, remete-se para as praias exuberantes com águas azuis e cristalinas. Contudo, é um país com uma grande oferta em projetos de voluntariado na área da educação de crianças e jovens e na prestação de assistência de cuidados a idosos.

  • Nepal

Este é um destino ainda pouco explorado pelos turistas, mas que apresenta vários projetos de voluntariado muito interessantes. Na capital Kathmandu, é possível encontrar algumas iniciativas ligadas à educação de crianças com necessidades especiais, e nas zonas rurais é possível fazer voluntariado com animais ou ajudar a cuidar nas plantações. Enquanto ajuda a tornar um mundo melhor, pode subir ao icónico Monte Evereste e deslumbrar-se com a vista de uma das maiores montanhas do mundo.

  • Nova Zelândia

Se anda à procura do desconhecido, a Nova Zelândia pode ser uma das melhores opções para si. Se também for um amante da Natureza, aqui pode encontrar programas de voluntariado focados em questões ambientais e conservação.

  • Vietname

O Vietname, terra de muitos sabores e texturas, é a oportunidade para conhecer uma cultura rica em história e uma gastronomia singular. Neste país, pode ensinar inglês a crianças e jovens, apoiar a rede de distribuição de alimentos e de prestação de cuidados especiais.

  • Gana

O Gana é um país onde existe falta de infraestruturas básicas e, por isso, o voluntariado pode representar uma oferta muito valiosa. Os projetos de voluntariado destinam-se, sobretudo, a programas de assistência em hospitais, proteção de animais e projetos educativos.

  • Sri Lanka

Destino asiático com uma cultura e história particulares, onde se juntam paisagens imperdíveis à espiritualidade do Budismo. Vai encontrar praias magníficas com águas quentes e vistas de tirar o fôlego, que se complementam com várias iniciativas que vão desde a preservação ambiental ao auxílio na educação de crianças. Portanto, quer seja um dia passado a ajudar na preservação das tartarugas marinhas ou ou desenvolver atividades para ajudar as comunidades locais, opções não faltam.

  • Índia

A Índia com a sua grande densidade populacional é também um dos países com um elevado índice de pobreza, onde a ajuda de um voluntário é muito importante. Nesse sentido, existem muitos programas que desenvolvem atividades para ajudar as populações locais a estudar ou até em tarefas diárias, onde a ajuda dos voluntários representa um grande apoio para as comunidades.

  • África do Sul

Um país de extremos, com cidades muito desenvolvidas e regiões de extrema pobreza, é um local escolhido por muitos voluntários, principalmente os apaixonados pela preservação da vida selvagem. Irá encontrar programas que se focam na reabilitação de animais ou no apoio na educação e auxílio a crianças nos hospitais.

São as mulheres quem mais participa em programas de voluntariado, com maior expressão nos jovens entre os 15 e os 24 anos (11,3%) e nos adultos entre os 25 e os 44 (8,6%). Os dados do INE revelam ainda que a participação em voluntariado aumenta, de forma gradual, com o nível de escolaridade, alcançando uma taxa de 15,1% nos indivíduos que concluíram algum grau do ensino superior.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo de voluntariado: viajar e… mudar o mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião