BdP considera que falência da Thomas Cook se deve a sucesso das plataformas digitais

  • Lusa
  • 23 Setembro 2019

Na sua opinião, a falência da Thomas Cook é um caso típico de um modelo de negócios que colapsa por não ter antecipado o impacto das plataformas digitais na prestação deste tipo de serviços.

O governador do Banco de Portugal (BdP) considerou esta segunda-feira que a falência do operador turístico britânico Thomas Cook é a “demonstração do sucesso” das atuais plataformas digitais de marcação de voos, hotéis e carros de aluguer.

“A falência da Thomas Cook é a demonstração do sucesso do Booking [plataforma digital] e de todas as outras plataformas que ocuparam o espaço que, anteriormente, era ocupado por eles [agências de viagens]. Hoje, quem trabalha com agências é, basicamente, o setor do corporate”, disse Carlos Costa.

O governador do BdP falava durante o seminário “Qualidade da Gestão, Governação e Produtividade da Economia”, promovida pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

Carlos Costa explicou que as agências de viagens viviam da prestação de serviços que assentavam na dificuldade do cliente em aceder à informação e em marcar um hotel, um voo ou um carro, acrescentando que essa dificuldade dava lugar a um mercado que hoje desapareceu. “Ninguém vai hoje a uma agência de viagens a não ser que tenha um serviço adicional”, referiu.

Carlos Costa vincou que, atualmente, se passou de um “modelo de compra de serviços” para um “modelo de it yourself [feito por si mesmo]”.

Na sua opinião, a falência da Thomas Cook é um caso típico de um modelo de negócios que colapsa por não ter antecipado o impacto das plataformas digitais na prestação deste tipo de serviços.

O governador do BdP disse ainda que esta é a “demonstração do risco” que alguém correu por não perceber a influência que aquelas iriam ter.

O operador turístico britânico Thomas Cook anunciou esta segunda-feira falência depois de não ter conseguido encontrar, durante o fim de semana, fundos necessários para garantir a sua sobrevivência e, por isso, entrará em “liquidação imediata”, de acordo com um comunicado divulgado no ‘site’ do grupo.

As autoridades terão agora de organizar um repatriamento maciço de cerca de 600.000 turistas em todo o mundo, incluindo 150.000 para a Grã-Bretanha.

A grave situação financeira da empresa teve impacto imediato junto de clientes que gozam pacotes de férias no exterior, que não conseguiram sair dos complexos turísticos sem pagar os valores das estadias, mesmo depois de terem pago a estadia à Thomas Cook.

O grupo precisava de arrecadar 200 milhões de libras (cerca de 227 milhões de euros) em fundos adicionais, reivindicados pelos bancos, como o RBS ou o Lloyds.

A empresa, com 178 anos de atividade, tinha previsto assinar esta semana um pacote de resgate com o seu maior acionista, o grupo chinês Fosun, mas tal foi adiado pela exigência dos bancos que o grupo tivesse novas reservas para o inverno.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BdP considera que falência da Thomas Cook se deve a sucesso das plataformas digitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião