Supremo tribunal declara que suspensão do Parlamento britânico é “ilegal”

Decisão de suspender o Parlamento britânico é "ilegal, nula e sem efeito", diz o Supremo Tribunal de Londres. Oposição pede demissão de Boris Johnson.

O Supremo Tribunal de Londres, a mais alta instância judicial do Reino Unido, concluiu esta terça-feira que a decisão de suspender o Parlamento britânico é “ilegal, nula e sem efeito”. Diz que a suspensão decidida por Boris Johnson, e aceite pela Rainha de Inglaterra, impediu “o Parlamento de cumprir as suas funções constitucionais”.

O tribunal conclui que a decisão de aconselhar Sua Majestade a suspender o Parlamento foi ilegal, porque teve o efeito de frustrar ou prevenir a capacidade do Parlamento cumprir as suas funções constitucionais, sem uma justificação razoável“, afirmou a presidente do Supremo Tribunal de Londres, Brenda Hale.

A presidente do Supremo Tribunal de Londres referiu que a sentença do coletivo de juízes foi unânime e que a decisão de suspender o Parlamento britânico é ilegal, acrescentando que esta suspensão teve um grande impacto no funcionamento do Parlamento. A sentença integral pode ser consultada aqui.

Esta decisão surge na sequência da análise a duas ações judiciais contraditórias relativas à decisão do primeiro-ministro britânico ter suspendido o Parlamento britânico, com efeitos a partir de 9 de setembro e até 14 de outubro, e que foi aceite pela rainha Elizabeth II.

Ainda antes de esta decisão ser conhecida, o Governo britânico comprometeu-se a “respeitar a decisão” do Supremo tribunal britânico, cita a BCC. Boris Johnson — que está neste momento em Nova Iorque a participar na Cimeira do Clima –, garantiu que não iria suspender o Parlamento pela segunda vez caso a decisão fosse contra ele.

Trata-se de um caso histórico que envolveu três dias de consultas e a presença de 11 juízes. Ao longo deste processo, que decorreu na semana passada, vários ministros de Boris Johnson referiram que este não é um assunto para ser analisado pelos tribunais. Por outro lado, os críticos acusam o primeiro-ministro britânico de ter tentado limitar os planos dos deputados para evitar um hard Brexit. A saída do Reino Unido da União Europeia está prevista para 31 de outubro,.

Oposição pede demissão de Boris Johnson

Perante a decisão do Supremo, o porta-voz da Câmara dos Comuns, John Bercow, considera que o Parlamento deve reabrir e ser “convocado de imediato”, acrescentado que se vai reunir com os líderes partidários ainda esta terça-feira.

Por outro lado, o líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, refere que esta decisão demonstra que Boris Johnson demonstra “um desprezo pela democracia e um abuso de poder”. Aproveitando para atacar o primeiro-ministro, o líder da oposição considera que o primeiro-ministro deve rever “a sua posição”, apelando à sua demissão, avança do The Guardian.

Também os chefes dos governos autónomos escocês e galês apelaram à demissão do primeiro-ministro britânico. A primeira-ministra escocesa, e líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP), Nicola Sturgeon, considerou que a prioridade do Parlamento deve ser bloquear um Brexit sem acordo, fazendo respeitar a lei que impõe um novo adiamento da data de saída, a 31 de outubro, por três meses, ate 31 de janeiro. “Em segundo lugar, se Boris Johnson não fizer a coisa decente e honrada, penso que o parlamento tem o dever de se unir para forçá-lo a sair o cargo através de uma moção de censura“, acrescentou, em declarações à BBC.

Por outro lado, Joanna Cherry, deputada do SNP, considera que esta decisão é “uma vitória monumental” para a democracia e que revela que “nem o Governo nem a Monarquia estão acima da lei”, apelando também à demissão de Boris Johnson. A posição dele é insustentável e devia ter coragem por uma vez que fosse e tomar uma medida decente, que é demitir-se”, atira

Já o primeiro-ministro galês, líder do Partido Trabalhista naquela província britânica, Mark Drakeford, considerou a decisão como “a última gota”, em declarações comunicadas através da rede social Twitter. Na sua opinião, “qualquer primeiro ministro normal – como uma questão de honra – apresentaria a sua demissão após um veredicto tão unânime do mais alto tribunal do Reino Unido“.

Gina Muller, ativista anti-Brexit e que liderou uma das ações judiciais contra o Governo britânico, afirmou que esta decisão é “uma vitória para o parlamento, para a separação de poderes e para a independência dos tribunais britânicos”. A deputada, em consonância com restantes deputados, pede que “o primeiro-ministro reabra o parlamento amanhã” e espera que os deputados consigam garantir “que este Governo sem escrúpulos não foge às suas responsabilidades”, afirma em declarações à Sky News.

(Notícia atualizada às 18h06)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Supremo tribunal declara que suspensão do Parlamento britânico é “ilegal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião