Concorrência investiga Jerónimo Martins na Polónia

Regulador da concorrência polaco anunciou a abertura de uma investigação à retalhista. Multa pode chegar a 3% do volume de negócios anual.

A Jerónimo Martins está a ser investigada, na Polónia, por suspeitas de práticas comerciais desleais. A autoridade da concorrência do país, o UOKiK, anunciou esta quarta-feira em comunicado as investigações e explica que a empresa arrisca uma multa equivalente a 3% do volume de negócios anual.

Informações recolhidas em junho durante uma auditoria à Jeronimo Martins Polska (JMP) levaram o UOKiK a acusar a empresa de uso de vantagem contratual desleal. A investigação foca-se em contratos com fornecedores, em particular de fruta e legumes.

Segundo o regulador, a subsidiária da Jerónimo Martins — dona da cadeia de supermercados Biedronka, na Polónia — acordou contratualmente com os fornecedores dois tipos de descontos nos preços dos produtos. O primeiro, em percentagem, aplica-se consoante o volume de negócios e os limites estão estabelecidos.

Quando este montante é ultrapassado, entra o segundo desconto. O problema é que este é apenas conhecido no fim do mês (já depois das entregas terem sido feitas). Caso os fornecedores recusem, enfrentam uma penalização contratual. O regulador questiona, assim, se a Jerónimo Martins estará a usar indevidamente a posição negocial mais forte.

“A Jeronimo Martins Polska tem uma posição negocial mais forte e suspeitamos que a está a usar de forma desleal. Como resultado destas atividades, os fornecedores de produtos alimentares, principalmente frutos e legumes, não tem certezas sobre se terão de atribuir um desconto adicional e qual o seu tamanho. Assim, ao entrar num contrato, não sabem quanto irão receber”, explicou o regulador, acrescentando que esta é mais uma ação para “melhorar a situação dos agricultores”.

Além da investigação da concorrência polaca, a Jerónimo Martins está em conflito também com as autoridades portuguesas. A empresa liderada por Pedro Soares dos Santos tem uma dívida acumulada de mais de 20 milhões de euros, por se recusar a pagar a Taxa de Segurança Alimentar Mais. Para a cadeia retalhista, esta legislação é “inconstitucional” e, por isso, apresentou uma queixa à Comissão Europeia.

Em bolsa, a Jerónimo Martins segue, esta quarta-feira após o anúncio, a perder mais de 3% para 15,28 euros por ação. Apesar da tendência negativa, a retalhista acumula um ganho de 48% desde o início do ano.

(Notícia atualizada às 11h35)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concorrência investiga Jerónimo Martins na Polónia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião