“Big Four” concentram 45% das receitas de auditoria em Portugal

Deloitte, PwC, EY e KPMG acentuaram domínio no mercado de auditoria em Portugal no último ano, concentrando 45% das receitas relativas aos serviços de fiscalização das contas de empresas e bancos.

As “Big Four” acentuaram o seu domínio no mercado de auditoria em Portugal no último ano, tendo concentrado 45% do total dos honorários relativos aos serviços de acompanhamento e fiscalização das contas de empresas e bancos.

No total, Deloitte, PwC, EY e KPMG receberam no ano passado honorários de auditoria no valor de 72,1 milhões de euros em 2018. Isto significa um aumento de cerca de 10% face ao ano anterior, o que contribuiu para o acentuar do grau de concentração do mercado de auditoria nacional, de acordo com os dados revelados esta quinta-feira pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que desde 2016 passou a supervisionar o setor.

Em 2017, as quatro principais auditoras representavam 42% das receitas de auditoria, um grau de concentração já de si elevado e que não é exclusivo no mercado nacional. Ainda assim, a tendência agravou-se em três pontos percentuais em 2018.

Segundo a CMVM, que publicou as estatísticas sobre o setor das auditoras em Portugal no relatório sobre os resultados do sistema de controlo de qualidade da auditora no ciclo 2018/2019, o valor global dos honorários pagos a todas as auditoras a trabalhar em Portugal aumentou 2% face a 2017, tendo ascendido a 160,2 milhões de euros.

Apesar do aumento da concentração nas chamadas “Big Four”, o regulador liderado por Gabriela Figueiredo Dias nota em comunicado que “não existiram alterações na repartição dos honorários entre as maiores firmas de auditoria nos exercícios de 2017 e 2018”.

Estavam registados na CMVM 1.404 auditores em maio de 2019 (-0,5% face a 2018), dos quais 1.218 revisores oficiais de contas e 186 sociedades de revisores oficiais de contas. Por sua vez, o número de entidades de interesse público (emitentes de valores mobiliários, bancos, seguradoras, empresas do Estado com faturação anual superior a 50 milhões de euros e ativos de 300 milhões e cujos auditores são da responsabilidade exclusiva da CMVM) manteve-se nos 1.095 em maio, com o número de auditores destas entidades a manter-se nos 58.

Fonte: CMVM

Em 2018, foram produzidos mais de 29 mil relatórios de auditoria, sendo que apenas 5% destes relatórios foram relativos a entidades de interesse público. Os restantes foram de entidades que não são de interesse público e cujas auditoras são alvo da fiscalização da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, com ajuda da CMVM.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Big Four” concentram 45% das receitas de auditoria em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião