Wall Street em suspenso. Quarta investigação passa fatura ao Facebook

Os investidores em Wall Street estão a fazer um compasso de espera enquanto analisam o que poderá sair do processo de impeachment a Trump. Facebook cai com abertura de quarta investigação.

As bolsas norte-americanas abriram na linha de água, flutuando entre ganhos e perdas muito ligeiras. Os investidores estão a fazer um compasso de espera enquanto digerem as últimas notícias da atualidade política norte-americana, com as atenções a voltarem-se a queda os títulos do Facebook, novamente sob investigação.

O S&P 500 abriu na linha de água e a cotar nos 2.984,83 pontos. O industrial Dow Jones avança 0,10%, para 26.998,28 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq cai 0,10%, para 8.068,96 pontos.

A notícia de que o Departamento de Justiça dos EUA vai abrir uma nova investigação ao Facebook fez precipitar os títulos da rede social, num dia de relativa acalmia em Wall Street. As ações da empresa caem 1,69%, para 179,7 dólares. As autoridades querem averiguar se a empresa violou as leis da Concorrência, numa altura em que o Facebook já é investigado por três outras entidades judiciais e políticas no país.

Ao mesmo tempo, os investidores aguardam por mais informação relativa ao inquérito para o impeachment do Presidente, Donald Trump. A divulgação da queixa original que levou os Democratas avançarem com o processo mostra que o responsável decidiu denunciar o Presidente por temer repercussões para a segurança nacional do país. Mas ainda é cedo para avaliar se o processo pode ou não levar a uma destituição.

Além disso, os dados económicos divulgados esta quinta-feira foram pouco entusiasmantes. As autoridades norte-americanas confirmaram a desaceleração do PIB dos EUA no segundo trimestre, tendo a economia expandido apenas 2% tal como indicavam as primeiras estimativas.

Os mercados continuam igualmente à espera de novidades em torno das negociações comerciais entre EUA e China. Pequim admitiu esta quinta-feira estar em conversações com representantes norte-americanos e que poderão existir desenvolvimentos já em outubro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street em suspenso. Quarta investigação passa fatura ao Facebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião