CGD confirma lucros mais altos de 417,5 milhões com venda do banco em Espanha

A instituição liderada por Paulo Macedo reviu em alta os lucros do primeiro semestre, que "engordaram" para 417,5 milhões de euros com a venda do banco em Espanha.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) reportou lucros de 417,5 milhões de euros no primeiro semestre, um valor alcançado devido à venda do banco em Espanha. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a instituição liderada por Paulo Macedo confirma, assim, a revisão nas contas que já era esperada.

O banco público apresentou no final de julho um lucro de 282,5 milhões de euros referente ao exercício da primeira metade do ano, mas as contas do semestre ainda não estavam fechadas. Na verdade, acabaram por ser bem mais elevadas. Com o processo de venda da subsidiária em Espanha, a CGD acabou por ver os lucros subirem para os 417,5 milhões de euros, tal como era esperado.

“O resultado líquido de junho de 2019 (…) incorpora a revisão das imparidades relacionadas com a alienação do banco Caixa Geral Espanha, na sequência da decisão da não oposição ao processo de alienação à Abanca Corporación Bancaria pelo Banco Central Europeu (BCE)”, refere o documento enviado à CMVM.

“O impacto da valorização desta participação com referência a 30 de junho de 2019 contribuiu de forma positiva em cerca de 135 milhões de euros no resultado líquido consolidado do período, o que representa 31 p.b. no rácio CET1″, acrescenta o documento.

Neste mês de setembro, o BCE declarou a sua não oposição à venda ao Abanca de ações representativas a 99,79% do banco Caixa Geral. Esta declaração concluiu o processo de aprovação, por parte das autoridades competentes, da venda daquela subsidiária.

Concluídos esses passos, está previsto que o processo de alienação do negócio em Espanha fique concluído durante o mês de outubro.

(Notícia atualizada às 19h05 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD confirma lucros mais altos de 417,5 milhões com venda do banco em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião