Economia desacelerou e produtividade “continua a ser insatisfatória”, diz Fórum para a Competitividade

  • Lusa
  • 1 Outubro 2019

Apesar da recente revisão em alta pelo INE, o Fórum para a Competitividade classifica de "baixíssimos" os valores de crescimento da produtividade entre 2016 e 2018.

O Fórum para a Competitividade avisa que a economia desacelerou no terceiro trimestre e classifica de “baixíssimos” os valores de crescimento da produtividade entre 2016 e 2018, apesar da recente revisão em alta pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Dados preliminares do 3.º trimestre apontam para uma desaceleração da economia, sobretudo pelo lado das contas externas”, afetadas pelo contexto de desaceleração generalizada da economia europeia e mundial, refere a nota de conjuntura assinada por Pedro Braz Teixeira, diretor do Gabinete de Estudos do Fórum para a Competitividade, divulgada esta terça-feira.

O INE reviu em alta o valor do Produto Interno Bruto (PIB) de 2016 a 2018 e também o dos dois primeiros trimestres de 2019, estimando agora que, no arranque deste ano, a economia avançou 2,1% e 1,9% em vez dos 1,8% anteriormente estimados. Apesar desta revisão, “o abrandamento da economia, generalizado na União Europeia, afinal também se verificou em Portugal no 2.º trimestre”, refere a nota de conjuntura.

Relativamente à produtividade, aquela revisão aponta para que este indicador tenha crescido 0,4%, 0,2% e 0,1% em, respetivamente, 2016, 2017 e 2018, valores que o Fórum para a Competitividade afirma serem “baixíssimos” e que “continuam a ser insatisfatórios”, revelando que “pouco mudou”. Numa análise mais detalhada a esta revisão do PIB, o documento assinala que se manteve a tendência que já se verificava, ou seja, de evolução em 2017 e de desaceleração em 2018.

A taxa de poupança das famílias caiu de 6,1% para 5,9% no segundo trimestre de 2019, traduzindo um desenvolvimento que a nota de conjuntura assinala ser “particularmente infeliz” ao mostrar que, ao contrário do que se esperava, o abrandamento do consumo privado não resultou de um aumento da poupança.

O documento assinala ainda o aumento homólogo do défice externo, considerando “preocupante que os serviços já não estejam a compensar a balança de bens”. Porém, tendo em conta que o padrão sazonal é de recuperação até ao final do ano, “ainda é possível que, para o conjunto de 2019, se consiga atingir um saldo positivo”.

O Fórum para a Competitividade refere, a este propósito que, até julho de 2019, o défice externo subiu para 1.633 milhões de euros, face a 616 milhões no período homólogo, com deterioração na balança de bens (2.028 milhões) e diminuição do excedente da balança de serviços (137 milhões).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia desacelerou e produtividade “continua a ser insatisfatória”, diz Fórum para a Competitividade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião