Norges Bank vai vender 5,6 mil milhões em ações de petrolíferas. Participação na Galp de fora da lista

ConocoPhillips, EOG Resources, Occidental Petroleum e CNOOC deverão estar ser alvo de desinvestimento por parte do fundo soberano, que quer apostar em ativos mais verdes.

O fundo soberano da Noruega vai lançar cerca de 5,6 mil milhões de euros em ações de petrolíferas no mercado. O plano de desinvestir no setor já era conhecido, mas vai afinal ser menor do que o previsto e limita-se a empresas classificadas como produtoras. Com este critério, a participação no capital da Galp não deverá estar em risco.

Ao longo dos próximos dois anos, o processo de redução do fundo de pensões da Noruega — que foi criado e enriqueceu com receitas petrolíferas — vai livrar-se de 5,6 mil milhões em ações de petrolíferas, segundo clarificou o Ministério das Finanças norueguês, esta terça-feira à noite.

O plano representa uma forte redução em comparação com o anunciado em 2017, quando o fundo recebeu autorização do Governo norueguês para vender 37 mil milhões de euros em ações do setor. Em março, já tinha sido feito um ajuste, que indicava que o montante seria muito mais pequeno.

Afinal, serão apenas empresas classificadas como produtoras de petróleo pelo índice FTSE Russell. Segundo dados divulgados pela Bloomberg, havia 95 cotadas com esta categoria. Apesar de o Ministério das Finanças norueguês não ter divulgado os desinvestimentos previstos, a agência noticiosa aponta para a ConocoPhillips, a EOG Resources, a Occidental Petroleum e a CNOOC.

As três primeiras negoceiam na bolsa de Nova Iorque, que ainda estava aberta quando foi feito o anúncio e as ações afundaram, com a ConocoPhillips e a EOG Resources a caírem mais de 3% e a Occidental Petroleum a perder 1,6%. Já a chinesa CNOOC também desvalorizou em Hong Kong, mas menos de 1%.

De fora desta classificação fica a petrolífera portuguesa Galp Energia. O fundo soberano da Noruega detinha uma posição de 1,33% (avaliada em 152 milhões de euros) na empresa por Carlos Gomes da Silva, no final do ano passado. Apesar de estar a salvo do desinvestimento do Norges Bank, as ações da Galp estão igualmente a ser penalizadas na bolsa de Lisboa.

A Galp desvaloriza 1% devido às incertezas no setor. O petróleo valorizou durante a noite, após divulgação de inventários de crude nos EUA abaixo do esperado e da notícia de que o Equador vai abandonar a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

Os preços seguem, no entanto, sem tendência definida. Já esta quarta-feira, o ministro do Petróleo do Irão tentou acalmar os conflitos dizendo que a Arábia Saudita é um “amigo”. E foi a Rússia a relançar as tensões, garantindo que poderá a qualquer momento abandonar o acordo de cortes produção alinhado com a OPEP, se este deixar de cumprir os interesses russos.

Ações da Galp desvalorizam no PSI-20

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Norges Bank vai vender 5,6 mil milhões em ações de petrolíferas. Participação na Galp de fora da lista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião