Novo Banco vende Monte do Pasto a investidores chineses

  • Lusa
  • 2 Outubro 2019

A compra do grupo Monte do Pasto ao Novo Banco, pelo grupo CESL Asia, é um negócio avaliado em 37,5 milhões de euros.

O grupo CESL Asia, através das suas subsidiárias Focus Platform e Focus Agriculture, formalizou, em Lisboa, a compra do grupo Monte do Pasto ao Novo Banco, numa “transação globalmente avaliada” em 37,5 milhões de euros, foi esta quinta-feira anunciado.

“Trata-se de uma aquisição significativa de importantes capacidades de gestão e operações em Portugal, com integração no CESL Asia da equipa do Monte do Pasto, além de um ativo que compreende 3.700 hectares de terras agrícolas, usadas principalmente como pastagens, mas que pode ser desenvolvido e valorizado por meio de atividades agrícolas adicionais”, indicou, em comunicado, o grupo.

Questionada pela Lusa, fonte oficial do CESL Asia disse que “a transação foi globalmente avaliada em 37,5 milhões de euros”. Este grupo pretende desenvolver com o Monte do Pasto uma “plataforma Portugal-Macau que potencie as produções existentes, permita o lançamento de novas atividades agrícolas e pecuárias sustentáveis e contribua significativamente para o desenvolvimento de toda a região do Alentejo e a economia portuguesa”.

Por outro lado, o CESL Asia pretende também intensificar as exportações para Macau e China e “aproveitar as oportunidades a serem criadas pela plataforma de macau para a cooperação social e económica entre China, Portugal e os países de língua portuguesa (plataforma de macau)”.

Citado no mesmo documento, o presidente executivo do grupo, António Trindade, vincou que esta aquisição dá início a “uma nova era no investimento de empresas privadas de Macau e prósperas empresas portuguesas”.

Para António Trindade, cabe também ao grupo CESL consolidar a estratégia de crescimento e “o caminho para a excelência” da Plataforma de Macau para o financiamento, gestão e operação de negócios na Grande Baía e nos países de língua portuguesa. A assinatura do acordo para a compra do grupo português produtor de gado bovino já tinha decorrido no dia 01 de março.

Na mesma cerimónia, a empresa de Macau assinou também um acordo de cooperação estratégica com a sucursal de Macau do Banco da China. No comunicado divulgado esta quarta-feira, António Trindade destacou que este acordo de cooperação “reveste-se de extrema importância”, tendo o Banco da China demonstrado “apoio firme” à estratégia de plataforma.

“Esperamos diversificar investimentos noutros setores relacionados com as nossas competências, designadamente na agricultura, na importação/exportação de alimentos de alta qualidade e na energia limpa, por meio da nossa subsidiária integral Focus Renewables, que já possui e opera três centrais de tecnologia de concentração solar portuguesa”, concluiu.

Paralelamente, na próxima terça-feira, o CESL Asia vai apresentar às autoridades portuguesas, em Lisboa, “uma visão da parceria internacional com o Monte do Pasto” para o desenvolvimento da plataforma Focus, base operacional para empresas de alimentos e energia verde em Portugal, Macau, China e países de língua portuguesa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco vende Monte do Pasto a investidores chineses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião