Juiz Rui Rangel recusa explicar fortuna ao Conselho Superior de Magistratura

  • ECO
  • 4 Outubro 2019

Rui Rangel recusou explicar o nível de vida acima dos rendimentos recebidos ao CSM no âmbito do processo disciplinar. O advogado do juiz diz que processo está "ferido de nulidade" e contesta provas.

O juiz desembargador Rui Rangel recusou explicar o nível de vida acima dos rendimentos recebidos, esta quinta-feira ao Conselho Superior da Magistratura (CSM), onde foi questionado no âmbito de um processo disciplinar.

No plenário do CSM — órgão que fiscaliza disciplinarmente os magistrados judiciais –, Rui Rangel e o seu advogado, João Nabais, foram ouvidos durante cerca de uma hora e meia. Rui Rangel, que é suspeito de vários crimes no âmbito do processo Lex, foi confrontado com emails e escutas telefónicas que indiciam a prática de crimes, mas negou qualquer crime, escreve o Correio da Manhã (acesso pago).

Rui Rangel foi ainda questionado sobre as quantias transferidas pelo advogado Santos Martins, também arguido no mesmo processo.

O advogado do magistrado, citado pelo Público (acesso condicionado), alega que o processo está “ferido de nulidade”, dado que “assenta numa prova que não pode ser utilizada”, referindo-se às comunicações de correio eletrónico e extratos bancários.

Segundo João Nabais, estas provas, para serem recolhidas no processo-crime, tinham de ter autorização de um juiz de instrução e no processo disciplinar não houve qualquer autorização. Aquilo que é obtido num processo-crime, não pode ser transportado para um processo disciplinar”, referiu João Nabais.

João Nabais acrescentou ainda que “nem foram pedidas diligências extraordinárias pelo juiz conselheiro, nomeado inspetor no caso” e defendeu que o processo disciplinar deve ser suspenso “até haver uma decisão do processo-crime”.

Rui Rangel já esteve suspenso preventivamente das funções no Tribunal da Relação de Lisboa, mas já regressou ao trabalho. Na operação Lex, é também arguida Fátima Galante, mulher do magistrado e juíza no mesmo tribunal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juiz Rui Rangel recusa explicar fortuna ao Conselho Superior de Magistratura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião