Super Bock Group diz que Ferreira de Oliveira deixou “legado valioso”

  • Lusa
  • 6 Outubro 2019

O Super Bock Group lamentou a morte de Ferreira de Oliveira, que foi o impulsionador do processo de internacionalização da empresa. Deixou "legado valioso", nota a companhia.

O Super Bock Group lamentou a morte do antigo presidente da Galp Energia, Manuel Ferreira de Oliveira, e apontou que este foi o impulsionador do processo de internacionalização da empresa, tendo deixado “legado valioso e inspirador”.

Ferreira de Oliveira, que foi também presidente executivo da Unicer (Super Bock Group), morreu este sábado, aos 70 anos, e o seu corpo vai estar em câmara ardente na igreja do Cristo Rei, na cidade do Porto, anunciou a Universidade do Porto.

“O Super Bock Group, na pessoa do seu presidente do Conselho de Administração, Manuel Violas, lamenta com consternação o falecimento do engenheiro Manuel Ferreira de Oliveira”, refere a dona da Super Bock, em comunicado.

“Foi com elevado sentido de ousadia, determinação e comprometimento que enquanto CEO [presidente executivo] liderou a então Unicer entre os anos de 2000 a 2006, deixando um legado valioso e inspirador”, adianta.

“Manuel Ferreira de Oliveira impulsionou decisivamente o processo de internacionalização da Super Bock, fomentou a diversificação do negócio, bem como apostou no desenvolvimento sustentável da empresa, quando poucos ainda o faziam”, salienta a empresa.

Destaca ainda que “a paixão com que se entregou ao setor manifestou-se também pelo seu valioso contributo enquanto presidente da direção dos cervejeiros de Portugal, entre 2002 e 2004, tendo sido ainda o principal responsável pela criação da Confraria da Cerveja, que existe desde 2003 e na qual desempenhou funções como grão-mestre”, endereçando à família condolências.

Também o ministro das Finanças, Mário Centeno, numa nota divulgada pelo ministério, já lamentou “profundamente” a morte do gestor, considerando que Portugal “perde uma das suas mentes mais brilhantes e esclarecidas”.

Nascido em 21 de dezembro de 1948, Manuel Ferreira de Oliveira era licenciado em engenharia eletrotécnica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), o antigo professor catedrático da FEUP tinha o grau de ‘master of science’ em energia pela Universidade de Manchester e era doutorado nesta área pela mesma instituição.

De acordo com informação disponível na página da universidade, Manuel Ferreira de Oliveira era membro do Conselho de Curadores da Universidade do Porto deste 2015.

Segundo a instituição, o antigo presidente da Galp foi responsável pela modernização da área de energia elétrica da FEUP, onde deu aulas entre 1979 e 1982, “tendo lançado as bases de uma equipa de investigação de reputação nacional e internacional e revelado, em tempos difíceis, grande determinação e capacidade de liderança”.

Entre 1995 e 2000, Manuel Ferreira de Oliveira foi presidente do Conselho de Administração e do Conselho Executivo da Petrogal, de 2000 e 2006 assumiu as funções de presidente do Conselho de Administração e do presidente executivo da Unicer (Super Bock Group).

Entre 2006 e 2015 exerceu funções no grupo Galp Energia como administrador executivo e COO [diretor de operações] (2006) e, posteriormente, como presidente executivo e vice-presidente do Conselho de Administração (de 2007 a 2015).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Super Bock Group diz que Ferreira de Oliveira deixou “legado valioso”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião