Banca portuguesa mais exposta ao risco internacional

Após dois anos em que o montante esteve abaixo de 80 mil milhões de euros, a exposição imediata dos ativos financeiros internacionais dos bancos portugueses voltou a ultrapassar esta barreira em 2019.

A banca portuguesa aumentou a exposição ao risco internacional. As instituições financeiras portuguesas tinham 85,5 mil milhões de euros em ativos financeiros internacionais com exposição a risco imediato no final do primeiro semestre do ano. Após dois anos em que o montante esteve abaixo de 80 mil milhões de euros, voltou a ultrapassar esta barreira no início de 2019.

“No final do primeiro semestre de 2019, a exposição imediata dos ativos financeiros internacionais dos bancos portugueses situava-se em 85,5 mil milhões de euros, mais 4,9 mil milhões de euros relativamente ao primeiro trimestre de 2019, parcialmente explicado por operações de aquisição de títulos de capital de entidades bancárias não residentes“, refere o relatório publicado esta quarta-feira pelo Banco de Portugal.

A ótica do risco imediato refere-se à exposição aos países de residência dos agentes com quem o banco celebrou o contrato diretamente e que têm a responsabilidade imediata perante o banco. O valor dos ativos em questão tem vindo a crescer há seis trimestres seguidos.

Ativos internacionais da banca portuguesa na ótima do risco e transferência de risco

Fonte: Banco de Portugal

Há outro indicador — do risco de última instância — que se refere à exposição aos países de residência dos agentes que garantem o cumprimento do contrato em substituição da entidade com quem este foi celebrado, refletindo a existência de garantias prestadas por um terceiro interveniente.

Neste caso, também houve aumentos. A exposição em última instância dos bancos portugueses era de 87 mil milhões de euros de ativos financeiros internacionais, o que representa um acréscimo de 4,8 mil milhões de euros relativamente ao primeiro trimestre de 2019. Cerca de 74% destes ativos localizavam-se na União Europeia, segundo os dados do BdP.

A diferença entre a exposição de última instância e a imediata (1,5 mil milhões de euros) corresponde a uma transferência de risco líquida de Portugal para o exterior. Uma vez que a exposição em última instância dos ativos financeiros internacionais é superior à exposição imediata, existem ativos dos bancos sobre entidades residentes que são garantidos por entidades não residentes”, acrescenta o supervisor da banca.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca portuguesa mais exposta ao risco internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião