Hoje nas notícias: Berardo, reformas e medicamentos

  • ECO
  • 10 Outubro 2019

Arresto de obras de arte de Berardo, máximos nos gastos com medicamentos, reformados com mais de 90 anos, emails a desmentir Azeredo Lopes sobre Tancos e subida de comissões na CGD em destaque.

A arresto de obras de arte da casa de Joe Berardo estão em destaque no dia em que se sabe que há quase 14 mil reformados com mais de 90 anos e que a despesa do SNS com medicamentos está em máximos de sete anos. Nota ainda para emails que desmentem a versão de Azeredo Lopes sobre os acontecimentos em Tancos e para a subida de comissões na Caixa Geral de Depósitos.

CGD arresta obras de arte da casa de Joe Berardo em Lisboa

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) avançou com o arresto do recheio de obras de arte da casa de Joe Berardo em Lisboa, na Avenida Infante Santo, avança o Correio da Manhã. Entre estas obras estarão quadros, esculturas e outros bens, com um valor global estimado em milhares de euros. O arresto avançou no seguimento da tentativa do banco público de recuperar uma dívida do grupo Joe Berardo na ordem dos 50,2 milhões de euros.

Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso condicionado).

Estado tem quase 14 mil reformados com mais de 90 anos

A Caixa Geral de Aposentações paga pensões de reforma a 13.793 pensionistas com mais de 90 anos, com 64% dos aposentados com idades entre os 65 e os 79 anos, avança o Correio da Manhã, com base no relatório e contas do sistema de pensões público relativo a 2018. O regime, que foi fechado em 2006, já só conta com 443 mil subscritores.

Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso condicionado).

 

Caixa penaliza reformados e dá bónus de 30% a clientes especiais

Injustas e desproporcionadas. É assim que Nuno Rico, economista da Deco Proteste, resume ao Público a atualização de comissões que a Caixa Geral de Depósitos acaba de fazer para 2020, onde se destaca um agravamento de custos para os clientes com menores rendimentos, nomeadamente os reformados, e para os que estão “amarrados” pelo crédito à habitação. A Caixa, que incluiu na atualização um bónus para clientes especiais, relativiza os aumentos, adiantando que a revisão está “em linha com o mercado”, correspondendo a um aumento médio “inferior a 2% ao ano”.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Emails desmentem versão de Azeredo Lopes sobre Tancos

Dois dos arguidos no processo de Tancos terão mantido correspondência por email, que revelam preparativos para manter o então ministro da Defesa, Azeredo Lopes, a par dos desenvolvimentos no esquema para a recuperação das armas que teriam sido roubados, o que contraria a versão dos eventos do ministro, diz o Jornal i. A comunicação foi realizada através de um telefone seguro.

Leia a notícia completa no Jornal i (link indisponível).

Gastos com medicamentos são os mais altos desde 2011

Os gastos do Estado e dos utentes do Serviço Nacional de Saúde com medicamentos atingiram em 2018 o valor mais elevado dos últimos sete anos. No caso dos hospitais, a subida de encargos é mesmo a mais alta de sempre. Estas conclusões podem ser retirar da análise dos dados publicados pelo Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e dos Produtos de Saúde.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Berardo, reformas e medicamentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião