INE confirma inflação. Preços em Portugal caem há três meses

A variação negativa no Índice de Preços ao Consumidor foi influenciada, em parte, por decisões administrativas, como as alterações nos preços dos passes ou a gratuitidade dos manuais escolares.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou os valores da inflação para setembro. Tal como indicava a estimativa rápida, os preços em Portugal caíram pelo terceiro mês consecutivo, com a taxa de variação do índice de preços de consumidor a registar um valor de -0,1% no mês de setembro.

O índice referente aos produtos energéticos registou uma das maiores quedas, de 3,8%, em setembro. A variação homóloga do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) foi negativa nos últimos três meses, “o que em parte resultou de decisões administrativas que afetaram o comportamento dos preços para um conjunto de produtos relevantes“, explica o INE.

Os preços da eletricidade, que foram alvo de uma revisão tarifária e descida parcial da taxa de IVA, e os preços do gás natural, depois da descida parcial da taxa de IVA, são destacados pelo INE.

Também os preços dos transportes públicos, com as alterações nos tarifários dos passes, dos serviços telefónicos, com os limites de preços nas comunicações para a União Europeia e dos manuais escolares, com o alargamento da gratuidade a todos os alunos do ensino público obrigatório, contribuíram todos para esta variação negativa que já se regista pelo terceiro mês consecutivo.

Já a variação mensal do IPC foi de 1,1%, e a variação média nos últimos 12 meses foi de 0,5%, e que compara com os 0,1 pontos percentuais registados em agosto. Quanto à comparação com os países da área do Euro, a variação deverá manter-se inferior à da área do Euro.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

INE confirma inflação. Preços em Portugal caem há três meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião