Portugal cola-se ao grupo dos parceiros do euro que veem economia a acelerar

Os países da Zona Euro enviaram para a Comissão os seus planos orçamentais. Entre os principais parceiros comerciais há quem, como Portugal, esteja otimista com o ano que aí vem. É o caso da Alemanha.

O Governo português considera que a economia vai ter um desempenho melhor em 2020 do que este ano. E no espaço do euro, entre os principais países de destino das exportações, não está isolado. A par de Portugal estão a Alemanha e a Itália, dois gigantes do euro que antecipam uma economia mais forte no próximo ano.

Os países do euro estão a entregar desde terça-feira os seus esboços dos planos orçamentais na Comissão Europeia. Cada draft, correspondente a um país diferente, contém a sua visão sobre a evolução da economia este ano e no próximo.

Portugal vê a economia a crescer este ano 1,9%. Sem considerar novas medidas — nem as que o Governo tinha previsto para 2020 no Programa de Estabilidade em abril –, o Governo aponta para uma subida do PIB de 2% em 2020.

E o que esperam os governos dos parceiros comerciais de Portugal? Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) no top 10 dos principais clientes das exportações nacionais estão seis países que partilham a mesma moeda. Espanha, França, Alemanha, Itália, Países Baixos e Bélgica.

Destes seis, dois (Alemanha e Itália) além de Portugal apontam para uma tendência de aceleração económica, ao passo que três (Espanha, França e Países Baixos) anteveem uma economia mais fraca em 2020 face a 2019. Um — a Bélgica — vê a economia a estabilizar no próximo ano, ou seja, a crescer o mesmo.

Como cresce Portugal e os seus parceiros comerciais

Fonte: Comissão Europeia

 

Mas se, por um lado, Portugal se junta à Alemanha e à Itália na perspetiva que têm da evolução económica no próximo ano, por outro, destaca-se de todos quando se compara a taxa de crescimento do PIB. É que Portugal é o único que vê a economia a crescer 2%. A seguir a Portugal, o mais otimista é Espanha que mesmo assim aponta para uma subida do PIB de 1,8%.

Além disso, Portugal é também caso único entre os parceiros privilegiados na visão que tem do crescimento do PIB do próximo ano face ao que antecipava no Programa de Estabilidade. As autoridades nacionais reviram em alta de 1,9% para 2% o crescimento do PIB para 2020. Quatro restantes parceiros cortaram nas previsões e dois mantiveram constantes face às previsões anteriores.

Esta atualização de previsões acontece numa altura em que o Fundo Monetário Internacional (FMI) corta nas previsões de crescimento para este ano e para o próximo, para 3% e 3,4%, respetivamente. A revisão em baixa é mais acentuada este ano e coloca a economia internacional a crescer mais em 2020 do que em 2019.

Para a Zona Euro, o FMI antecipa um abrandamento significativo este ano — de 1,9% para 1,2% –, mas no próximo ano já vê a economia do euro acelerar, ainda que apenas mais duas décimas do que em 2019. Essa recuperação deve-se sobretudo à evolução das maiores economias do euro, uma vez que haverá oito economias a abrandar, e outras duas a crescer ao mesmo ritmo em 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal cola-se ao grupo dos parceiros do euro que veem economia a acelerar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião