Dívida pública cai para 116,2% no próximo ano. Executivo mantém compromisso de redução para 100% até final da legislatura

Governo já tinha revisto em alta a meta para 119,3% do PIB para este ano, contra os 118,6% inscritos no Programa de Estabilidade. Para 2020, em vez de 115,2%, prevê agora uma dívida de 116,2% do PIB.

O Governo espera que a dívida pública portuguesa atinja 119,3% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e 116,2% no próximo. Os dados estão inscritos no esboço de Orçamento do Estado para 2020 enviado esta terça-feira pelo Governo para a Comissão Europeia representa uma revisão em alta face às anteriores metas. Ainda assim, o Executivo mantém compromisso de reduzir endividamento para perto de 100% no final da legislatura.

Em setembro, quando enviou o reporte dos défices excessivos para Bruxelas, o Governo já tinha revisto em alta a meta para 119,3% do PIB para este ano, o que compara com os 118,6% inscritos no Programa de Estabilidade. Esta atualização levou o Executivo a alterar também o objetivo para o próximo ano: em vez de 115,2%, prevê agora 116,2%, segundo o Projeto de Plano Orçamental divulgado esta quarta-feira.

Desde o início de agosto que a revisão em alta da meta da dívida pública era esperada já que o Eurostat decidiu alterar o método de cálculo do stock da dívida. Entre outros pontos, passou a contabilizar os juros a pagar nos certificados de aforro no endividamento público. Na altura, o Governo lembrou que se tratou de uma mudança meramente estatística, ou seja, não há “novas responsabilidades financeiras” para o Estado.

Apesar de rever em alta a meta para o próximo ano, o Governo mantém o compromisso de reduzir o endividamento público nos próximos anos. “De 2016 a 2018, o rácio da dívida pública em relação ao PIB diminuiu quase dez pontos percentuais. O Governo estima que em 2023 este indicador atinja um nível muito próximo de 100%”, diz o Executivo liderado por António Costa no esboço orçamental enviado às autoridades europeias.

Para atingir esse objetivo, todas as receitas extraordinárias devem continuar a ser alocados à redução da dívida pública“, assegura o Executivo.

Projeções para a dívida pública

Fontes: Ministério das Finanças - PE 2019-2023 e Projeto de Plano Orçamental 2020; CFP - Situação e Condicionantes 2019-2023, outubro 2019; FMI - World Economic Outlook, outubro 2019. Dados de 2018: INE.

Dois fatores vão contribuir para esta trajetória descendente nos próximos anos: por um lado, a redução do stock da dívida pública em si perante a melhoria das finanças públicas (diminuiu o valor do numerador); por outro, a expansão da atividade económica também ajudará a acelerar a redução do rácio (aumenta o valor do denominador). De acordo com o esboço orçamental, o Governo vê a economia crescer 2% em 2020.

Devido às eleições legislativas, Portugal enviou para Bruxelas apenas um esboço com as linhas orçamentais gerais e o próprio Orçamento do Estado para 2020 será apresentado apenas depois de o novo Governo entrar em funções.

Na semana passada, o primeiro-ministro indigitado, António Costa, afirmou que “gostaria muito” de o poder apresentar à Assembleia da República ainda este ano, mesmo que a discussão se prolongue para 2020.

(Notícia atualizada às 09h26)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública cai para 116,2% no próximo ano. Executivo mantém compromisso de redução para 100% até final da legislatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião