Governo vai para campanha com défice mais baixo em 2018. Meta para este ano mantém-se em 0,2%

O INE divulgou esta manhã novos dados sobre as contas públicas. A 13 dias das legislativas, o Governo leva boas notícias na frente orçamental para a campanha.

Portugal fechou o ano passado com um défice de 0,4% do PIB, mais baixo do que o reportado em março a Bruxelas, revelou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). Os dados do INE mostram que no primeiro semestre deste ano, o défice ficou em 0,8%, penalizado pelo Novo Banco. Meta para o conjunto de 2019 mantém-se em 0,2%.

Os números constam do reporte dos défices excessivos que o INE publicou esta manhã e que foi enviado para o Eurostat. Esta possibilidade — de o défice do ano passado ser revisto em baixa face aos 0,5% do PIB — já tinha sido antecipada em março pelo INE, tal como avançou o ECO.

“De acordo com os resultados provisórios obtidos neste exercício, consistentes com a base 2016 das Contas Nacionais Portuguesas, em 2018 a necessidade de financiamento das Administrações Públicas (AP) atingiu 910,9 milhões de euros, o que correspondeu a 0,4% do PIB (3,0% em 2017)”, diz o INE.

O instituto estatístico diz que “comparativamente com a notificação anterior, para além das revisões associadas à nova base de Contas Nacionais, os valores relativos aos anos 2017 e 2018 apresentam revisões que decorrem da incorporação de nova informação, em que os dados de 2017 têm agora uma natureza final e os relativos a 2018 uma natureza provisória“.

“As revisões subjacentes a 2017 resultam sobretudo da incorporação de informação final e detalhada, agora disponível para todas as entidades das AP, enquanto as revisões dos resultados para 2018 refletem a apropriação de dados da Informação Empresarial Simplificada e de outra informação baseada na especialização do exercício (accrual), em lugar de informação baseada em fluxos de caixa, para um conjunto mais vasto de entidades”, acrescenta o instituto estatístico.

(Notícia atualizada às 12h40 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai para campanha com défice mais baixo em 2018. Meta para este ano mantém-se em 0,2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião