Economia mundial vai crescer ao ritmo mais fraco desde a crise financeira, alerta o FMI

Há uma década que a economia mundial não crescia tão pouco e a situação pode piorar. O FMI alerta que não há margem de erro e sugere estímulos orçamentais coordenados internacionalmente.

A economia mundial está a abrandar de forma sincronizada e vai crescer apenas 3% este ano, o ritmo de crescimento mais baixo desde a crise financeira de há uma década, alerta o Fundo Monetário Internacional, que reviu as previsões para 2019 em baixa pela quinta vez consecutiva. O Fundo alerta que os riscos são elevados e que não há margem de erro, sugerindo mesmo que pode vir a ser necessário um programa de estímulos orçamentais coordenado a nível internacional.

No primeiro grande evento de Kristalina Georgieva como diretora-geral, o FMI deixou um dos alertas mais sérios da última década aos líderes mundiais: não há margem de erro e os países têm de tomar medidas urgentemente para estimular o crescimento.

Na atualização das suas previsões incluídos no World Economic Outlook com que inicia as reuniões anuais do Banco Mundial e do FMI, a instituição anunciou que espera que a economia mundial cresça apenas 3% em 2019, a quinta vez consecutiva que revê as previsões em baixa para este ano, e um abrandamento de 0,6 pontos percentuais face a 2018.

Previsões para a economia mundial e principais blocos económicos. Fonte: FMI, atualização de outubro do World Economic Outlook.

Ao contrário do que acontecia em 2017, quando os grandes blocos económicos cresciam todos de forma sincronizada, agora é a vez de todos abrandarem em uníssono. Em 2018 a economia mundial já abrandou face aos 3,8% que havia crescido em 2017, agora o abrandamento é significativamente mais pronunciado e pode não ficar por aqui.

Segundo o Fundo, este abrandamento deve-se principalmente à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, e o agravamento das disputas comerciais que se alastrou a outros países e blocos económicos — como a União Europeia, ou a disputa entre o Japão e a Coreia do Sul –, a questões geopolíticas que para além de levarem a um aumento das barreiras ao comércio também estão a aumentar a incerteza, que leva ao adiamento de gastos, tanto dos consumidores como dos investidores.

O risco associado à incerteza na política comercial norte-americana atingiu o seu máximo desde que Donald Trump assumiu a presidência dos Estados Unidos. Fonte: FMI, atualização de outubro do World Economic Outlook.

Desde 2008/2009, quando a crise financeira atingiu o seu pico com a falência do Lehman Brothers, que a economia mundial não crescia tão pouco e o resultado até seria pior se não fosse a ação preventiva dos maiores bancos centrais para estimular a economia — a Reserva Federal e o Banco Central Europeu cortaram juros, e aumentaram as compras de ativos para acrescentar liquidez ao sistema. Segundo o FMI, a ação dos bancos centrais permitiu à economia mundial crescer mais 0,5 pontos percentuais do que cresceria sem esta resposta, tanto em 2019 como em 2020.

Mas não são apenas as tensões comerciais e os riscos geopolíticos que estão a afetar as economias mundiais. Fatores específicos de cada economia, como por exemplo a necessidade de redução da dívida na China que está a levar a um abrandamento do consumo privado, também estão a pesar no crescimento económico em algumas regiões, que incluem para além da China, economias importantes como a da Índia, a do Brasil, do México, da Rússia e da África do Sul.

Outro dos fatores específicos que está afetar uma parte da economia mundial é a introdução dos novos sistemas de controlo de emissões nos novos automóveis, que está afetar o mercado automóvel na Zona Euro e na China. Todos estes fatores pesaram de tal forma na produção industrial e no comércio internacional que o crescimento do comércio na primeira metade do ano foi de apenas 1%, o pior registo desde 2012.

Recuperação será fraca e não chegará a todos

O FMI espera que a economia mundial acelere no próximo ano, mas a melhoria esperada é modesta. A previsão é que a economia acelere para os 3,4% em 2020, menos duas décimas que o esperado em abril e abaixo do que se verificou em 2017 e 2018.

Não só a previsão é de uma melhoria ligeira, como ela acontecerá à custa de aceleração nas economias emergentes, algumas delas que estavam em recessão e vão continuar em recessão, mas em menor grau — como são os casos da Turquia, Argentina e do Irão –, e outras que aceleram depois de um abrandamento pronunciado este ano — como o Brasil, o México, a Índia, a Rússia e a Arábia Saudita.

Já no conjunto das economias avançadas, onde se inclui Portugal e a Zona Euro como um todo, a expectativa é que continue a abrandar nos próximos anos, passando de 2,3% em 2018, para 1,7% em 2019 e 2020. Se este ano a razão é o abrandamento nas maiores economias — Estados Unidos, Alemanha, França, Itália, Espanha, Reino Unido e Canadá vão crescer menos –, em 2020 as maiores economias do euro vão crescer mais, mas as restantes economias do bloco vão abrandar, tal como os EUA e o Japão.

Não há margem de erro

A mensagem não podia ser mais drástica. Os riscos a estas previsões, já de si pouco otimistas, são “elevados”, diz o Fundo, que alerta para o impacto das barreiras ao comércio e das tensões geopolíticas, incluindo o Brexit (que tem um capítulo decisivo esta semana no Conselho Europeu), nas cadeias de distribuição e na confiança dos agentes económicos, no investimento e no crescimento económico como um todo.

“A concretização destes riscos pode provocar uma mudança abrupta na avaliação do risco e expor vulnerabilidades financeiras que foram sendo acumuladas durante anos de juros baixos”, avisa o FMI.

O risco de a economia mundial crescer abaixo de 2,5% no próximo ano aumentou significativamente. Fonte: FMI, atualização de outubro do World Economic Outlook.

O Fundo vai ainda mais além nas recomendações aos países com margem orçamental, que tem vindo a defender que têm de investir para estimular as suas economias e a economia da sua região, dizendo diretamente à Alemanha e à Holanda que têm de fazer mais. “Países como a Alemanha e a Holanda devem aproveitar as taxas de juro negativas para investir em infraestruturas ou capital humano, mesmo que numa ótica puramente de custo-benefício”, diz a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, numa introdução ao relatório publicado esta terça-feira.

O FMI dá ainda um passo mais além nas suas recomendações, que ilustra a gravidade das suas preocupações, dizendo que a situação é de tal forma precária que “não há margem para erros nas políticas e há uma necessidade urgente dos governantes [tomarem medidas para] estimular o crescimento”, deixando ainda a sugestão de que pode ser preciso um esforço coordenado entre os países para um programa de estímulos orçamentais coordenado, e adequado à realidade de cada um dos países, caso o crescimento seja inferior ao que se prevê agora.

“Caso o crescimento se deteriore ainda mais, pode ser necessária uma resposta orçamental internacional coordenada, e adaptada às circunstâncias de cada país”, diz o relatório.

Acima de tudo, resume a economista-chefe do FMI, os países têm de se entender e trabalhar em conjunto “porque o multilateralismo continua a ser a única solução para resolver as questões mais importantes, como os riscos derivados das alterações climáticas, da cibersegurança, da fuga e evasão fiscal”, e melhorar o sistema de comércio internacional “e não abandoná-lo”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Economia mundial vai crescer ao ritmo mais fraco desde a crise financeira, alerta o FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião