Costa sobre acordo do Brexit: “Espero que à quarta seja de vez”

António Costa espera que espera que o novo acordo do Brexit conseguido entre Londres e Bruxelas seja aprovado pelo Parlamento britânico. "Espero que à quarta seja de vez", disse o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro português espera que o Parlamento britânico aprove o novo acordo para o divórcio do Reino Unido da União Europeia conseguido entre Londres e Bruxelas. “Espero que à quarta seja de vez e que o Parlamento britânico dê a aprovação”, sublinhou António Costa, esta quinta-feira, lembrando que a “grande prioridade” era “evitar uma saída sem acordo”.

Em declarações aos jornalistas, Costa disse considerar “ótimo” este novo passo nas negociações entre as partes em causa e fez questão de sublinhar que “só espera que este acordo seja efetivamente aprovado não só na União Europeia, mas também no Parlamento britânico. “Não nos têm faltado acordos com os governos britânicos. Que eu me recorde, só nestes quatro anos, chegámos a um acordo com David Cameron — que não resultou numa vitória no referendo –, chegámos a acordo com Theresa May — que não foi aprovado no Parlamento –, tivemos um aditamento do acordo com a senhora May — que também não foi aprovado no Parlamento. Portanto, espero que à quarta seja de vez e que valha não só entre entre nós e o Governo britânico, mas também o Parlamento britânico dê a aprovação”, afirmou.

O primeiro-ministro adiantou ainda que o acordo anunciado esta quinta-feira “satisfaz todos os requisitos que tinham sido colocados, em particular manter a integridade do mercado interno e do Reino Unido, e respeitar o acordo de Sexta-feira Santa entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, de forma a não comprometer o processo de paz”.

O primeiro-ministro português frisou, além disso, que a aprovação por parte do Parlamento britânico é relevante para que se possa “passar àquilo que é mais importante”, isto é, “trabalhar na relação futura com o Reino Unido”. “Temos de estreitar essa relação”, reforçou.

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, anunciou esta quinta-feira que Londres e Bruxelas chegaram, finalmente, a acordo para a declaração política e sobre a questão da fronteira das Irlandas. Este é ainda um acordo a nível técnico. Ou seja, ainda vai precisar de ser aprovado pelos restantes líderes da União Europeia e pelo próprio Parlamento britânico.

Sobre o Orçamento comunitário, António Costa disse esperar que o Conselho Europeu “rejeite o essencial da proposta finlandesa”, já que propõe uma redução ainda mais acentuado do volume de contribuições do conjunto dos Estados-membros, o que é “absolutamente inaceitável”.

“O compromisso que temos de procurar é entre a proposta inicial da Comissão Europeia — que não era ainda aceitável — e aquilo que têm sido as exigências do Parlamento Europeu“, defendeu. A Comissão Europeia propõe um teto máximo de contribuições em 1,11% do rendimento nacional bruto, enquanto o Parlamento Europeu sugere fixar esse limite nos 1,3%. A questão ganha premência com a saída do Reino Unido da União, já que se trata de um dos maiores contribuintes líquidos para o orçamento da UE.

“Política de Coesão e Política Agrícola não podem ser as válvulas de ajustamento das novas políticas da Comissão Europeia”, acrescentou ainda António Costa. O primeiro-ministro criticou ainda o facto de sobre a mesa, para Portugal, estar um corte de 15% no segundo pilar da PAC, o do desenvolvimento rural. Costa recorda que enquanto os pagamentos diretos (para os quais não é proposto um corte para Portugal) beneficiem em grande medida os grandes produtores, os apoios ao desenvolvimento rural são fundamentais para os pequenos agricultores e para evitar o abandono dos campos.

Marcelo diz que “acordo de princípio é uma magnífica notícia”

O Presidente português considerou que o “acordo de princípio” entre Reino Unido e União Europeia para a saída deste país do bloco comunitário é “uma magnífica notícia” e disse esperar que seja aprovado pelo Parlamento britânico.

Este acordo de princípio é uma magnífica notícia. Agora só esperamos que o Parlamento britânico o venha a aprovar, para se converter num acordo definitivo”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, na varanda do Palácio de Belém, em declarações transmitidas pelas televisões. Isto porque “evita o que seria uma situação muitíssimo mais grave, a da saída sem acordo”.

(Notícia atualizada às 15h00, com a reação de Marcelo Rebelo de Sousa)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa sobre acordo do Brexit: “Espero que à quarta seja de vez”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião