Regulador abre nova investigação à Jerónimo Martins na Polónia

  • ECO
  • 18 Outubro 2019

Em causa está o facto de a Biedronka, a retalhista da Jerónimo Martins, apresentar alegadamente preços dos produtos nas estantes diferentes daqueles que os clientes pagam na caixa.

O regulador polaco UOKiK anunciou esta sexta-feira que vai investigar a forma como os preços na Biedronka, a cadeia de retalho polaca da Jerónimo Martins JMT 0,63% , são apresentados aos clientes. Foram várias as queixas de consumidores que pagaram um valor mais elevado na caixa face ao apresentado nas prateleiras. A multa pode ascender a 10% do volume de negócios da empresa.

“As alegações referem-se à visibilidade de preços mais baixos ao lado do produto, seguido pela cobrança de um preço mais elevado no balcão em lojas da cadeia Biedronka”, referiu a autoridade da concorrência do país, citada pela agência Reuters.

Na prática, o UOKik alega que os clientes pagam mais pelo produto na caixa registadora do que o preço que é exibido nas estantes, irregularidades que foram detetadas após ter recebido queixas dos consumidores e após inspeções das autoridades. “Pode ser uma prática injusta de mercado”, referiu Marek Niechciuk, presidente do UOKiK.

O regulador da concorrência disse ainda que a empresa pode ser alvo de uma coima de até 10% do volume de negócios. Em 2018, a Biedronka faturou 11,7 mil milhões de euros, representando 67% do total das vendas da Jerónimo Martins.

Contactada, a Biedronka não esteve disponível para responder imediatamente a um pedido de comentário. Entretanto, a Jerónimo Martins já reagiu. À Lusa disse estar a “analisar de forma cabal” a carta do regulador polaco, salientando que o grupo tem “uma preocupação grande com o rigor”.

“Sublinhamos, no entanto, que, tendo em conta a escala de operações da Biedronka – mais de 2.900 lojas, mais de 67.000 colaboradores, que servem diariamente cerca de quatro milhões de clientes, num total de mais de 1,3 mil milhões de transações anuais –, há sempre a possibilidade de, por erro humano, faltarem alguns preços ou estarem mal colocados”, explicou fonte oficial da retalhista.

Ainda recentemente a mesma autoridade anunciou que estava a investigar a retalhista por por suspeitas de práticas comerciais desleais, explicando que a empresa arrisca-se a uma multa equivalente a 3% da faturação.

As ações da Jerónimo Martins terminaram a sessão a desvalorizar 1,42% em Lisboa, negociando nos 14,965 euros. O PSI-20 recuou 0,73% para 4.977,16 pontos.

(Notícia atualizada às 17h49 com reação da Jerónimo Martins)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador abre nova investigação à Jerónimo Martins na Polónia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião