O direito ao (re)conhecimento da paternidade na jurisprudência constitucional

  • Ângela Vieira
  • 18 Outubro 2019

A lei civil portuguesa não adotou a regra da “imprescritibilidade” do direito de investigação de paternidade, continuando a insistir na necessidade de existência de limites temporais.

O artigo 1817.º, n.º 1, do Código Civil (na atual redação dada pela Lei n.º 14/2009, de 1 de abril e aplicável às ações de investigação de paternidade por força do disposto no artigo 1873.º do mesmo diploma) prevê um prazo de caducidade de dez anos para a propositura da ação de investigação da paternidade, contado da maioridade ou emancipação do investigante. Assim, à semelhança do que sucede em outros ordenamentos jurídicos, a lei civil portuguesa não adotou a regra da “imprescritibilidade” do direito de investigação de paternidade, continuando a insistir na necessidade de existência de limites temporais ao exercício desse direito.

Esta questão desde cedo veio levantar, na jurisprudência constitucional e nos tribunais comuns, alguns problemas, discutindo-se se o limite temporal estabelecido (inicialmente de 2 anos e, após a alteração legislativa de 2009, de 10 anos após a maioridade ou emancipação) seria, ou não, suficiente para garantir aos filhos a tutela dos seus direitos à identidade e à historicidade pessoal, bem como o direito de constituir família e de estabelecer os correspondentes vínculos de filiação.

Na verdade, este regime de estabelecimento de prazos foi, por diversas vezes, julgado inconstitucional pelos Tribunais da Relação e pelo Supremo Tribunal de Justiça, por se considerar que a fixação de prazos de caducidade para propor uma ação de investigação da paternidade seria uma restrição desproporcionada e excessiva de direitos fundamentais, vedada pela Constituição.

Chamado a pronunciar-se sobre o problema, através do Acórdão n.º 401/2011 (proferido em Plenário), o Tribunal Constitucional decidiu não julgar inconstitucional o estabelecimento de um prazo de dez anos para a propositura da ação, contado da maioridade ou emancipação do investigante, considerando, por um lado, que a Constituição da República Portuguesa não exige a imprescritibilidade destas ações, e, por outro, que o artigo 1817.º, n.º 1, do Código Civil, na dimensão normativa em causa, não se afigura desproporcional, não violando qualquer norma ou princípio constitucional (este entendimento viria a ser posteriormente aplicado, designadamente, pelos Acórdãos n.ºs 529/2014, 626/2014, 151/2017 e 813/2017).

Em sentido contrário e mais recentemente, através do Acórdão n.º 488/2018 (da 2.ª Secção), o Tribunal Constitucional decidiu julgar inconstitucional a existência de um prazo de caducidade para propor uma ação de investigação da paternidade, por tal constituir uma restrição desproporcionada dos direitos fundamentais a constituir família, à identidade pessoal e ao livre desenvolvimento da personalidade, bem como do direito a conhecer a ascendência biológica e a ver estabelecidos os correspondentes vínculos jurídicos de filiação. À luz do referido acórdão, da Constituição decorre que as ações de investigação da paternidade devem poder ser instauradas a todo o tempo, sendo constitucionalmente ilegítima qualquer limitação temporal para o exercício deste direito.

Existindo, assim, decisões que julgaram a mesma norma em sentidos divergentes, foi interposto recurso pelo Ministério Público para o Plenário, nos termos do n.º 1 do artigo 79.º-D da Lei do Tribunal Constitucional, com vista dirimir o conflito jurisprudencial sobre a constitucionalidade da norma em causa e esclarecer se a Constituição proíbe, ou não, o estabelecimento de um prazo de caducidade para o exercício do direito de ação de investigação da paternidade, por tal representar sempre «uma restrição desproporcionada dos direitos fundamentais a constituir família, à identidade pessoal e ao livre desenvolvimento da personalidade», seja qual for a sua duração, como sustentado no Acórdão n.º 488/2018, em desvio da jurisprudência do Acórdão n.º 401/2011.

Submetida novamente a questão ao Plenário, o Tribunal Constitucional decidiu agora que a previsão de um prazo de dez anos para a propositura da ação, contado da maioridade ou emancipação do investigante, não viola a Constituição da República Portuguesa (Acórdão n.º 394/2019). Considerou aquele Tribunal, designadamente, que a opção legal de estabelecer um prazo de caducidade para o exercício do direito de ação de investigação da paternidade não é manifestamente infundada ou arbitrária, atendendo ao interesse público prosseguido e aos direitos fundamentais envolvidos, conclusão que sai reforçada pelo facto de o efeito extintivo que lhe está associado apenas se produzir quando se esgotar não apenas o prazo aí previsto, mas todos os outros que o mesmo preceito legal prevê com grande amplitude, nos seus n.ºs 2 e 3. Considerou, ainda, que o facto de o legislador ter optado pela utilização de conceitos abertos e indeterminados na fixação do termo inicial de alguns dos prazos de caducidade acrescidos previstos no artigo 1817.º do Código Civil garante ao titular do direito afetado pelo prazo de caducidade a possibilidade de instaurar a ação quando, uma vez decorrido o prazo previsto no n.º 1 do artigo 1817.º do Código Civil, surjam factos ou circunstâncias que tornem razoável o exercício tardio do direito de ação, permitindo ao aplicador do direito a formulação de juízos de ponderação suscetíveis de cobrir a especificidade de cada caso concreto.

O Tribunal Constitucional põe, assim, termo a um diferendo que se arrasta há vários anos e, embora se reporte apenas ao processo em causa, acabará por fazer “jurisprudência plena” sobre esta matéria.

*Ângela Vieira é advogada especializada em direito da família na sociedade JPAB – José Pedro Aguiar-Branco Advogados.

  • Ângela Vieira
  • Advogada especializada em Direito da Família da JPAB-José Pedro Aguiar-Branco Advogados

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O direito ao (re)conhecimento da paternidade na jurisprudência constitucional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião