Milhares concentram-se em Londres contra a saída da União Europeia

  • Lusa
  • 19 Outubro 2019

Enquanto os deputados britânicos estão a debater o novo acordo para o Brexit negociado entre Londres e Bruxelas, milhares de pessoas estão nas ruas em protesto contra esse divórcio.

Milhares de pessoas que estão contra a saída do Reino Unido da União Europeia começaram, este sábado, a concentrar-se no centro de Londres a pedir para que o Reino Unido permaneça na UE.

As pessoas que enchem várias ruas da capital, estão a convergir para a Praça do Parlamento britânico, local onde se encontram os deputados a discutir os planos e a data de aplicação do Brexit’ apresentados pelo primeiro-ministro conservador Boris Johnson.

Segundo a Associated Press (AP), são muitos os cartazes que se veem nas ruas a pedir a suspensão do processo do Brexit, que começou com um referendo realizado em 2016 e no qual os eleitores britânicos apoiaram a retirada da Grã-Bretanha dos 28 Estados-membros da UE.

Entretanto, no Parlamento, Boris Johnson defendeu a urgência na conclusão do processo do Brexit, aprovando o novo acordo que foi negociado com a União Europeia (UE) esta semana. “É urgente seguir em frente, para construir um novo relacionamento com nossos amigos na UE com base num novo acordo, um acordo que pode curar a cisão na política britânica. Agora está na altura de esta grande Câmara dos Comuns se unir e unir o país”, afirmou, no início de uma sessão extraordinária no parlamento britânico.

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, já disse que o principal partido da oposição vai votar contra por considerar que é prejudicial para a economia e para os trabalhadores.

Na quinta-feira, Boris Johnson concluiu negociações para alterações ao texto, sobretudo no protocolo relativo à Irlanda do Norte, removendo o mecanismo de salvaguarda para evitar uma fronteira física com a vizinha República da Irlanda designado por backstop.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Milhares concentram-se em Londres contra a saída da União Europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião