Wall Street arranca semana no verde. Boeing pressiona

Donald Trump disse que o acordo comercial com a China já está no horizonte e deixou os investidores animados. Wall Street arranca a semana em terreno positivo, apesar da queda da Boeing.

A expectativa de que as negociações comerciais entre Pequim e Washington cheguem a bom porto está a animar os investidores e a puxar pela praça nova-iorquina, na primeira sessão da semana. A pressionar Wall Street está, por outro lado, a Boeing, que recua mais de 3%.

O índice de referência, o S&P500, está a valorizar 0,44% para 2.999,21 pontos. A mesma tendência está a ser registada pelo industrial Dow Jones, que avança 0,10% para 26.796,76 pontos e o pelo tecnológico Nasdaq, que sobe 0,59% para 8.137,12 pontos.

Os investidores estão animados, esta segunda-feira, depois do vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, ter afirmado que Pequim vai trabalhar com Washington para resolver algumas questões chaves da relação comercial entre estas duas potências. Estas declarações reforçaram o otimismo que já estava a ser sentido depois de Donald Trump ter dito que espera assinar um acordo comercial a meio do próximo mês.

Qualquer desenvolvimento positivo nas negociações comerciais anima as pessoas, ainda que seja demasiado otimista acreditar que os responsáveis vão chegar a um acordo comercial completo no início ou a meio de novembro”, explica Robert Pavlik, analista da SlateStone Wealth LLC in New York, citado pela Reuters.

Na sessão desta segunda-feira, destaque para a Microsoft, cujos títulos somam 0,65% para 138,30 dólares, depois do anúncio de uma parceria com o grupo alemão SAP.

A pesar sobre Wall Street, está a Boeing, cujas ações recuam 3,81% para 330,89 dólares, após a Reuters ter divulgado uma troca de mensagens entre dois funcionários, que sugerem que a empresa terá enganado a Federal Aviation Administration no que diz respeito a regras de segurança

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street arranca semana no verde. Boeing pressiona

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião