Portugueses gostam de carros elétricos. Mais de metade quer comprar um

Quase nove em cada dez portugueses têm uma atitude positiva em relação aos carros elétricos, sendo que 51% dos condutores dizem querem comprar um veículo elétrico quando trocarem de automóvel.

Carros há muitos, com motores para todos os gostos. Se até há bem pouco tempo os diesel eram a “paixão” dos portugueses, nos últimos anos a preferência tem recaído nos a gasolina, mas muito nos híbridos. Os elétricos têm boa cotação junto dos consumidores. Tanta que mais de metade admite que na próxima troca de automóvel poderá optar por um destes veículos com zero emissões. O problema continua a ser, contudo, o preço elevado.

Os condutores portugueses são os mais positivos em relação à mudança para carros elétricos, seguidos dos turcos e dos gregos. Segundo o ranking Mobilility Monitor 2019, da LeasePlan, empresa de comércio e aluguer de automóveis, em conjunto com a Ipsos, especializada em estudos de mercado, 87% dos portugueses têm uma atitude positiva quanto à mudança para veículos elétricos. Por outro lado, entre os 16 países em estudo, os luxemburgueses são os mais recetivos, sendo que apenas 25% dos inquiridos têm uma atitude positiva no que toca a este assunto.

Mais de metade dos portugueses (51%) afirmam que têm intenção de comprar um carro elétrico na compra do próximo veículo, apenas ultrapassados pela Turquia (57%) e pela Grécia (53%). Portugal está, deste modo, bem à frente de países, como os Estados Unidos da América (28%), Reino Unido (26%) e Dinamarca (22%).

Entre as razões apontadas para a aposta nos carros elétricos, a larga maioria dos entrevistados destaca as menores emissões de dióxido de carbono (70% dos portugueses) e os baixos custos de funcionamento (66%). Ainda assim, os portugueses revelam que o preço de compra (68%), as possibilidades de carregamento insuficientes (53%) e a autonomia (67%), como os maiores entraves à compra de veículos elétricos.

Estes fatores demonstram que apesar de existir uma maior procura e disponibilidade para adquirir veículos não poluentes, as infraestruturas destinadas ao carregamento destes veículos não acompanham a evolução. “Precisamos melhorar esta situação agora. A Comissão Europeia, juntamente com os governos nacionais e as autoridades locais, deve intensificar e agir de acordo com a procura dos cidadãos pela mobilidade de zero emissões, investindo numa infraestrutura de carregamento pan-europeia abrangente”, sublinha o CEO da LeasePlan, Tex Gunning, em comunicado.

Para Tex Gunning apenas “através de ações coletivas, decisivas e oportunas” será possível combater as alterações climáticas e a qualidade do ar das cidades.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses gostam de carros elétricos. Mais de metade quer comprar um

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião