Rede da Nos já está operacional. Falha deveu-se a “anomalia simultânea” de dois sistemas

A rede da Nos esteve inoperacional durante cerca de três horas esta terça-feira. Empresa já repôs o serviço e atribui a falha a uma "anomalia simultânea" de dois sistemas.

Os clientes da Nos NOS 0,42% enfrentaram falhas de rede em todo o país durante cerca de três horas esta terça-feira. De norte a sul, centenas de queixas apontaram para problemas nas chamadas, mensagens e dados no serviço móvel da operadora. O problema teve início por volta do meio-dia e os serviços foram “integralmente repostos” por volta das 15h00.

Numa nota a dar conta da resolução do problema, a Nos reconhece que registou “uma falha na sua rede móvel, com impacto em clientes em algumas zonas do país, nos serviços de voz e dados”. “As equipas da Nos trabalharam ininterruptamente com os seus parceiros, para recuperar com a rapidez possível todas as funcionalidades de modo a minimizar o impacto nos seus clientes”, frisa ainda a empresa.

A operadora esclareceu entretanto que a falha registada na sua rede se deveu a “uma anomalia simultânea de dois sistemas de processamento de tráfego” e reiterou que os seus serviços estão “integralmente repostos”. “A Nos esclarece que a situação de instabilidade registada na sua rede móvel, durante o final da manhã de hoje, se deveu a uma anomalia simultânea de dois sistemas de processamento de tráfego”, refere a operadora liderada por Miguel Almeida.

Esta situação “tem uma probabilidade absolutamente ínfima, dados os múltiplos níveis de redundância: lógica, física e geográfica”, acrescentou a operadora, salientando que todos os seus serviços estão “integralmente repostos”.

“A Nos ativou de imediato os procedimentos de gestão de crise, juntamente com os parceiros tecnológicos, o que permitiu a rápida resolução da situação e a reposição gradual dos serviços”, concluiu.

O incidente tinha sido confirmado pela empresa cerca das 12h30, já depois da publicação desta notícia a dar conta das falhas na rede da empresa. Na altura, a Nos confirmou o problema e disse ter acionado “os planos de contingência” para “assegurar uma rápida reposição os serviços”.

Uma vez que as operadoras têm de comunicar estes incidentes ao regulador setorial, a Anacom também confirmou ter sido informada de um incidente com a rede da operadora: “A Nos notificou o centro de reporte de notificações da Anacom”, disse ao ECO fonte oficial da entidade presidida por João Cadete de Matos.

Disparam notificações por falha no serviço da Nos

Fonte: DownDetector

O portal Down Detector, que monitoriza a atividade de serviços digitais em todo o mundo, mostrou um aumento súbito no número de queixas relacionadas com a Nos durante as horas do incidente. O ECO confirmou que houve falhas no serviço em Lisboa, mas dezenas de mensagens no mesmo portal apontaram para um problema mais generalizado, com queixas a serem publicadas a partir do Porto, Aveiro, Águeda, Vale de Cambra, Évora e Albufeira.

“Sem rede no Porto, na baixa”, comentou um utilizador. “Évora também está com problemas”, comentou outro. No Twitter também já surgiram algumas queixas: “Isto hoje está bonito. Os servidores pararam e a Nos móvel não tem rede. Informática e telecomunicações paradas, caos instalado”, lê-se numa mensagem publicada na rede social.

O Down Detector recebeu mais de 2.000 reportes de problemas com a Nos, mas a operadora não é a única a ser alvo de reclamações. Relativamente à Meo e à Vodafone, o mesmo portal também exibiu um aumento súbito no número de notificações de falhas no serviço, mas em número muito residual e sem qualquer comentário por parte dos utilizadores. O ECO não pôde confirmar a existência de falhas generalizadas nos serviços destas operadoras.

(Notícia atualizada pela última vez às 18h38 com mais informações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rede da Nos já está operacional. Falha deveu-se a “anomalia simultânea” de dois sistemas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião