Stephan Morais, da Indico: “2019 será provavelmente o melhor ano de sempre para o ecossistema empreendedor”

A dois meses de fechar o primeiro ano de atividade, o Indico Capital Partners conta com nove participadas e já chegou aos 50 milhões angariados para investimento.

Stephan Morais, partner da Indico Capital Partners, em entrevista ao ECO24, a 16 de janeiro de 2019.Hugo Amaral/ECO

Stephan Morais acredita que 2019 será o melhor ano de sempre para o ecossistema empreendedor português. “Se não for um ano recorde pela quantidade de rondas ou pelo valor angariado, será seguramente o melhor ano de sempre para o ecossistema empreendedor”, diz o general managing partner da Indico Capital Parners, em conversa com o ECO.

No rescaldo do investimento na nona empresa do portefólio da Indico — a Infraspeak, que anunciou esta terça-feira ter levantado uma ronda de financiamento de três milhões de euros, e que fecha a ronda seed no valor total de 4,6 milhões iniciada em outubro do ano passado –, Stephan Morais faz um balanço positivo dos primeiros dez meses de atividade do fundo lançado em janeiro deste ano e que é o maior fundo de capital de risco privado em Portugal. Ainda a angariar capital, o fundo já conseguiu juntar capital no valor de 50 milhões de euros vindo de 37 investidores, na sua grande maioria estrangeiros.

“Esta ronda não fecha um ciclo, mas temos agora nove empresas no nosso portefólio. O mais provável é chegarmos às 18 a 22 startups no nosso portefólio, porque é normal que a concentração do investimento em fundos do tipo do nosso se faça nos primeiros dois ou três anos de vida”, explica o responsável.

Neste primeiro ano de investimentos, a evolução do mercado surpreendeu Stephan Morais. “Não prevíamos que houvesse, logo no primeiro ano, empresas nossas a angariar rondas subsequentes, mais capital. Existe um conceito de J Curve, que descreve as perdas de um fundo nos primeiros tempos, e que tem a ver com o período negativo da carteira numa carteira de investimentos. Mas não a sentimos, a nossa carteira tem tido boa performance“, explica o partner do fundo.

Stephan Morais diz que o investimento deverá continuar, mas que se nota que as empresas olham com expectativa para o novo ano. “As empresas preparam-se para se tornarem sustentáveis o mais rapidamente possível”, justifica, sobre a incógnita envolvendo um abrandamento económico já no próximo ano.

No entanto, na hora de procurar futuros investimentos, o managing partner diz que os contactos à Indico continuam numa média de dez por semana, 40 por mês. “Algumas das empresas são espanholas à procura de conseguir desenvolver os mercados internacionais, porque não têm a visão de mercado global das startups portuguesas, tendem a começar e a passar os primeiros anos no mercado doméstico”.

“No último ano, continuou a evolução do ecossistema português. Há mais startups com maior ambição e com maiores perspetivas de angariação de capital, tanto nacional como estrangeiro”, acrescenta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Stephan Morais, da Indico: “2019 será provavelmente o melhor ano de sempre para o ecossistema empreendedor”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião