Relatório denuncia que petrolíferas mentiram sobre o seu impacto durante décadas

  • Lusa
  • 22 Outubro 2019

Um relatório de uma universidade dos EUA mostrou que as petrolíferas mentiram sobre o seu impacto nas alterações climáticas durante anos.

As petrolíferas usaram durante décadas estratégias de desinformação sobre o seu papel nas alterações climáticas, recorrendo a “táticas de negação e adiamento retiradas diretamente do manual de estratégia das tabaqueiras”, denunciou esta terça-feira um relatório de uma universidade norte-americana.

O relatório, intitulado “A América enganou”, da autoria de cinco académicos da Universidade George Mason, de Harvard e de Bristol, expõe como o setor da energia fóssil financiou e organizou uma “campanha de desinformação” para “suprimir a ação e proteger o ‘status quo‘ nas suas operações económicas”. O documento dá como exemplo a maior petrolífera dos EUA, a Exxon Mobil, que esta terça-feira será julgada num processo por fraude, acusada de enganar os seus acionistas sobre o impacto que podiam ter nas suas contas as leis de combate às alterações climáticas.

Um dos coautores do relatório, John Cook, professor do Centro para a Comunicação sobre as Alterações Climáticas da Universidade George Mason, assegurou que o documento “faz luz sobre como a desinformação financiada pelas energias fósseis negou o direito do público a estar informado com exatidão”.

“Os cientistas empregados no setor dos combustíveis fósseis conheciam os potenciais efeitos de aquecimento das emissões de dióxido de carbono desde 1950”, referem os académicos, que citam documentos internos da Exxon Mobil datados entre 1977 e 1998, nos quais é visível que “estavam perfeitamente conscientes” dos riscos associados aos seus produtos.

“As provas são inequívocas: a Exxon enganou o público”, defende o investigador Geoffrey Supran, do Departamento de História da Ciência da Universidade de Harvard. “Em vez de alertar o público ou fazer algo, deram a volta e orquestraram uma campanha massiva (…) para proteger os seus lucros”.

Os académicos afirmam que a desinformação teve êxito nos EUA, onde as políticas para mitigar as alterações climática foram “bloqueadas ou atrasadas durante décadas” enquanto se verificavam alterações extremas no clima, assim como prejuízos e mortes que “continuarão a piorar se não expusermos [a desinformação] e dermos crédito ao negacionismo”.

Aos norte-americanos “foi-lhes negado o seu direito a estar informados com exatidão sobre as alterações climáticas, da mesma forma que lhes foi negado o seu direito a estar informados sobre os riscos de fumar pela grande indústria tabaqueira (Big Tobacco)”, denuncia o relatório. Nesse sentido, os cientistas dizem que a indústria petrolífera (Big Oil) é o novo Big Tobacco: “Seguindo o manual de instruções da indústria tabaqueira, as empresas de combustíveis fósseis gastaram centenas de milhões de dólares a confundir o público e atrasar ações que podem salvar vidas”.

O relatório inclui estratégias para combater as técnicas negacionistas que “semeiam a semente da dúvida nas pessoas”, disponibiliza anotações sobre vários documentos internos de Exxon Mobil e até um anúncio publicado no ano 2000 no The New York Times com “argumentos falsos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Relatório denuncia que petrolíferas mentiram sobre o seu impacto durante décadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião