EDP Renováveis entra no mercado colombiano

A empresa ganhou dois contratos de aquisição de energia de 15 anos num leilão organizado pelo Governo da Colômbia. A empresa vai vender energia eólica produzida em dois parques desenvolvidos pela EDP.

A EDP Renováveis vai entrar no mercado colombiano de energia eólica depois de assegurar dois contratos de aquisição de energia de 15 anos no leilão renovável organizado pelo Governo da Colômbia, anunciou a empresa num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Estes dois contratos de longo prazo são relativos a energia renovável produzida por dois parques eólicos que estão em desenvolvimento pela EDP — Alpha com capacidade registada de 212 MW e Beta de 280 MW — e que devem começar a operar em 2022.

“Os dois projetos, ambos em fase de desenvolvimento pela EDP, foram selecionados no leilão de capacidade em março de 2019. Com estes projetos, a EDP expande a sua presença geográfica ao entrar num novo mercado com desenvolvimento sustentável dos recursos energéticos renováveis”, diz a empresa.

“A EDPR está numa fase avançada no desenvolvimento destes parques eólicos e já garantiu apoios à comunidade indígena local, que será beneficiada com o impacto socioeconómico das operações na região”, explica ainda a empresa numa nota divulgada no seu site. “A entrada da EDPR na Colômbia é uma peça fundamental da estratégia e plano de negócios de empresa”, acrescenta.

A Colômbia será “a base para a consolidação da atividade da EDPR no continente latino-americano”, garante a empresa liderada por António Mexia. A Colômbia é o 14.º mercado no qual a EDPR vai operar e o terceiro na América Latina, depois do Brasil e do México, revela a EDP, acrescentando que a EDPR tinha, a 31 de junho, uma capacidade instalada de 6029 MW no continente americano, incluindo as operações no Canadá e nos Estados Unidos.

A EDP diz que continua a analisar oportunidades de crescimento e que está a desenvolver os projetos rentáveis “focados em países com perfil de baixo risco e estabilidade regulatória”.

(Notícia atualizada às 18h25 com mais informações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP Renováveis entra no mercado colombiano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião