“Estamos especialmente gratos ao Paddy”. Marcelo dá pontapé de saída para o Web Summit

O Presidente da República sublinha que o co-fundador do Web Summit "soube perceber que Lisboa e Portugal eram interessantes" e agradece-lhe por toda a dinâmica que o evento trouxe a Portugal.

O Presidente da República recebeu esta quinta-feira, no Palácio de Belém, os representantes das startups portuguesas que vão participar no Web Summit e nem o cofundador do evento tecnológico deixou de marcar presença. No pontapé de saída para o evento que começa a 4 de novembro, Marcelo Rebelo de Sousa agradecer a Paddy Cosgrave, a quem está “especialmente grato”.

Marcelo Rebelo de Sousa considera que o Web Summit é uma revolução que “está a mudar o mundo, a Europa e Portugal” e sublinha que é um caminho que não acaba, mas que se “renova” para Portugal e para os portugueses. “Esta revolução está a mudar o mundo, está a mudar a Europa e está a mudar Portugal. Essa revolução passou também por Portugal: chegou a Portugal, ficou em Portugal e afirma-se em Portugal”, começou por dizer Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações transmitidas pela RTP3.

Revolução, maturidade e futuro são as palavras escolhidas pelo Presidente da República para descrever um dos maiores eventos de tecnologia do mundo. Segundo o Chefe de Estado, há que tratar temas que “já vêm de trás”, mas que não se esgotam e ganham cada vez mais importância, como a regulação, a privacidade, o financiamento e sustentabilidade”.

Para Marcelo “a imaginação do Paddy, o apoio de Portugal, os investimentos infraestruturais que vão sendo feitos, mais a mudança que é preciso introduzir ano após ano“, faz com que este seja “um caminho que não acaba, mas que se renova”, sublinha.

O Presidente da República não deixou de agradecer ao responsável pelo Web Summit e aos representantes das startups portuguesas. ” O Portugal de há três, quatro, cinco anos era diferente do Portugal atual. E uma das razões tem que ver convosco. Criaram empregos, criaram empresas, criaram novas dinâmicas e isso acaba por chegar a toda a economia e a toda a sociedade. E nesse sentido estamos gratos a quem arrancou. E estamos especialmente gratos ao Paddy“, atira.

Presidente da República recebeu esta quinta-feira, no Palácio de Belém, os representantes das startups portuguesas que vão participar no Web Summit. O cofundador do evento tecnológico, Paddy Cosgrave, também esteve presente.24 Outubro, 2019

Para terminar, Marcelo Rebelo de Sousa assinala ainda que o cofundador “soube perceber que Lisboa e Portugal eram interessantes” e que o dever de todos “é fazer mais e melhor”, não só pelo Web Summit e pelas empresas, mas “pelo que significam também para o futuro de Portugal”.

Startups estão a ajudar Portugal a “mudar a imagem” do país

O ministro da Economia cessante, Pedro Siza Vieira, disse esta quinta-feira que as ‘startups’ portuguesas que vão participar na edição deste ano da Web Summit estão a “ajudar Portugal a mudar a imagem” que o mundo tem do país.

Pedro Siza Vieira, que é reconduzido no cargo, falava em Belém, num encontro entre o Presidente da República e as ‘startups’ portuguesas participantes na Web Summit. Dirigindo-se aos empreendedores presentes na sala, Pedro Siza Vieira começou por cumprimentar a “turma de 2019”, que disse saber que era “de facto a melhor turma”, representando “um salto muito grande face às edições anteriores”.

“Mais do que os negócios que têm para propor, o sistema que vos ajuda a crescer, a vossa presença está a ajudar Portugal a mudar a imagem que o mundo tem do nosso país”, afirmou Pedro Siza Vieira. “Somos capazes de mostrar ao mundo empresas de sucesso, que surgiram a partir da iniciativa do empreendedorismo“, destacou o ministro.

Tantas pessoas como vós estão a aparecer no mundo a contribuir para mudar a imagem do nosso país”, disse, salientando que aquilo que as ‘startups’ vão mostrar nos próximos dias na Web Summit e nos próximos anos vai permitir reforçar o “projeto de afirmação” de Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Estamos especialmente gratos ao Paddy”. Marcelo dá pontapé de saída para o Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião