Câmara de Lisboa terá de pagar mais 4,7 milhões para assegurar realização da Web Summit este ano. Obras na FIL só arrancam em 2022

  • Lusa
  • 15 Outubro 2019

Obras na FIL, previstas para este ano, só arrancam em 2022. Autarquia lisboeta discute alterações ao acordo para a realização do Web Summit esta quinta-feira.

A Câmara de Lisboa vai discutir na quinta-feira alterações ao acordo para a realização da Web Summit, entre as quais o pagamento de mais 4,7 milhões de euros e o adiamento da expansão da FIL para 2022.

A proposta, à qual a agência Lusa teve acesso, é assinada pelo vereador Miguel Gaspar (PS), que passa a assumir os pelouros da Economia e da Inovação, até agora responsabilidade do presidente da Câmara de Lisboa, e será discutida em reunião privada do executivo, nos Paços do Concelho.

Em causa está a ratificação do acordo para a organização e realização da cimeira tecnológica Web Summit na cidade de Lisboa, entre 2019 e 2028, celebrado entre o Estado, a Câmara de Lisboa e a Connected Intelligence Limited (empresa que organiza o evento) em 5 de novembro de 2018.

Este acordo “prevê a expansão da área expositiva para 90 mil metros quadrados, no total, e um faseamento que permita o crescimento do evento enquanto isto não ocorrer”, tendo sido agora acordado com a organização “uma adenda ao contrato inicial que prevê, uma vez que ainda decorrem negociações para a expansão”, um adiamento desta expansão, inicialmente prevista para 2021, para 2022, explica fonte oficial da Câmara de Lisboa numa resposta escrita enviada à Lusa.

“Em relação ao faseamento, inicialmente previa-se 13.000 m2 para 2019 através da construção na FIL [Feira Internacional de Lisboa] dos interstícios (fecho dos espaços entre pavilhões da FIL) e 18.000 m2 em espaços provisórios (tendas). Com esta adenda, de 2019 até 2022, serão disponibilizados no máximo 31.000 m2 de áreas, sejam elas de natureza provisória (tendas) ou definitiva (pavilhões construídos)”, acrescenta a mesma fonte.

Na proposta que vai a votos na quinta-feira, a autarquia defende que o aumento de infraestruturas para atrair grandes eventos e congressos “não deverá estar circunscrito ao espaço da FIL, sendo a todos os títulos benéfico possibilitar outras soluções, como a construção de um novo equipamento, caso essa opção demonstre ser viável”.

Neste sentido, acrescenta o documento assinado por Miguel Gaspar, “decorreu um longo processo negocial com a CIL (entidade organizadora da Web Summit) tendente à alteração do acordo inicial, no sentido de flexibilizar o teor das obrigações assumidas pelo município quanto ao local da expansão, incluindo o adiamento da data de conclusão da obra de expansão (que passa para outubro de 2022)”.

Além disso, uma vez que “as obras de expansão do recinto não se encontram ainda implementadas” é “necessário disponibilizar os espaços necessários à realização do evento, ainda que de natureza temporária” para “assegurar a edição deste ano”, implicando a transferência de 4,7 milhões de euros para a Associação de Turismo de Lisboa, além dos três milhões que a autarquia tem de pagar anualmente para a realização do evento.

“Perante a necessidade de assegurar a cedência, disponibilização dos espaços necessários à realização do evento e dos serviços de Wi-Fi/ICT, a Associação Turismo de Lisboa – uma das entidades signatárias do acordo para organização do evento Web Summit supracitado – submeteu candidatura ao Fundo Desenvolvimento Turístico de Lisboa (FDTL) para este efeito, a qual foi objeto de parecer favorável pelo Comité de Investimentos”, reforça a Câmara de Lisboa na proposta.

“Os 4,7 milhões de euros são relativos ao aluguer de espaços (FIL e Altice Arena), às tendas provisórias para garantir as áreas de exposição que a organização necessita e a aquisição de logística de comunicação (‘wi-fi’ de última geração, crucial para a realização de um evento desta natureza)”, complementa a autarquia à Lusa.

O município sublinha ainda que “estes são compromissos que respondem às necessidades da Web Summit e que na candidatura de Lisboa ao evento foram também assumidas por outras cidades concorrentes”.

O acordo para a manutenção da Web Summit em Lisboa prevê um investimento público anual de, pelo menos, 11 milhões de euros pelo período de 10 anos, dos quais três milhões serão atribuídos pelo município lisboeta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa terá de pagar mais 4,7 milhões para assegurar realização da Web Summit este ano. Obras na FIL só arrancam em 2022

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião