WeWork prepara despedimento de quatro mil trabalhadores

  • ECO
  • 24 Outubro 2019

Redução no número de trabalhadores está incluída no plano de recuperação acordado com o Softbank no âmbito do resgate financeiro anunciado durante o fim de semana.

A WeWork prepara-se para despedir quatro mil pessoas. Os despedimentos serão parte do plano de recuperação acordado com o Softbank no âmbito do resgate financeiro anunciado durante o fim de semana, diz o Financial Times (acesso condicionado e conteúdo em inglês). O grupo japonês vai assumir o controlo da conhecida startup de aluguer de espaços de coworking, tendo já afastado o fundador, Adam Neumann, do board da empresa.

Segundo o FT, que cita fontes com conhecido direto do plano, os cortes vão abranger 30% da mão-de-obra global da WeWork, que se situa atualmente em 14 mil pessoas. Cerca de mil pessoas que serão despedidas são trabalhadores de áreas que poderão ser subcontratadas, como limpezas.

O objetivo do Softbank será também que a WeWork concentre as atividades em três mercados prioritários: Estados Unidos, Europa e Japão. Regiões como China, Índia ou América Latina poderão, assim, ser deixadas para segundo plano ou mesmo abandonadas.

Marcelo Claure, executivo do Softbank nomeado chairman da WeWork, disse esta quarta-feira aos trabalhadores que a empresa teria de fazer mudanças para ser rentável. “Sim, haverá despedimentos — não sei quantos — e sim, teremos de ajustar a dimensão do negócio para alcançar um cash flow positivo e rentabilidade“, escreveu num comunicado interno, a que o FT teve acesso. “Prometo que quem sair será tratado com respeito, dignidade e justiça. Para quem fica, garantimos a todos que serão alinhados e partilhar da futura criação de valor”.

A WeWork foi resgatada no fim de semana, com o SoftBank a aceitar comprar a maior parte das ações da empresa que eram detidas pelo controverso gestor Adam Neumann, no valor de cerca de mil milhões de dólares. O grupo japonês comprou também ações detidas pelos funcionários da WeWork no valor de cerca de dois mil milhões de dólares.

Ao abrigo deste resgate, o SoftBank aceitou também fazer um empréstimo de 500 milhões de dólares a Neumann com o intuito de ajudar o gestor a pagar a dívida ao banco JPMorgan. Vai ainda pagar-lhe 185 milhões de dólares em honorários relativos à prestação de serviços de consultoria. Contas feitas, o fundador da empresa, que tem sido apontado como um dos principais responsáveis deste desfecho, fica com 1,7 mil milhões de dólares com este resgate.

A operação corta, no entanto, a avaliação da WeWork para os oito mil milhões de dólares, poucos meses depois de a empresa ter sido avaliada em 47 mil milhões de dólares. A WeWork arriscava ficar sem capital nas próximas semanas, numa altura em que surgiam notícias de que está a adiar alguns despedimentos por não ter liquidez para pagar as devidas indemnizações. O SoftBank já detinha um terço da empresa, fazendo da WeWork um dos piores investimentos da História do grupo japonês, que é liderado por Masayoshi Son.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

WeWork prepara despedimento de quatro mil trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião