SoftBank resgata WeWork e afasta polémico fundador da empresa

A administração da WeWork aceitou o pacote de resgate do SoftBank, de forma a evitar a falência da startup. Avaliação da empresa cai para oito mil milhões de dólares (há meses, valia 47 mil milhões).

O Conselho de Administração da WeWork aceitou a proposta de resgate financeiro feita pelo SoftBank, o que significa que o grupo japonês vai assumir o controlo da conhecida startup de aluguer de espaços de coworking. A notícia está a ser avançada pelo The Wall Street Journal (acesso pago).

Mediante este acordo, o fundador, Adam Neumann, é afastado do board da WeWork e o SoftBank aceita comprar a maior parte das ações da empresa que são detidas pelo controverso gestor, no valor de cerca de mil milhões de dólares. O grupo japonês também vai comprar ações detidas pelos funcionários da WeWork no valor de cerca de dois mil milhões de dólares.

Esta operação vai cortar a avaliação da WeWork para os oito mil milhões de dólares, poucos meses depois de a empresa ter sido avaliada em 47 mil milhões de dólares. Deverá ser anunciada oficialmente esta terça-feira, ou nos próximos dias, dado que os detalhes do acordo ainda estão a ser fechados.

Adam Neumann, fundador da WeWork.Noam Galai/Getty Images for TechCrunch

A WeWork corre o risco de ficar sem capital nas próximas semanas, numa altura em que surgem notícias de que está a adiar alguns despedimentos por não ter liquidez para pagar as devidas indemnizações. O SoftBank já detinha um terço da empresa, fazendo da WeWork um dos piores investimentos da História do grupo japonês, que é liderado por Masayoshi Son.

Ao abrigo deste resgate, o SoftBank aceitou também fazer um empréstimo de 500 milhões de dólares a Adam Neumann com o intuito de ajudar o gestor a pagar a dívida que este contraiu junto do banco JPMorgan. Vai ainda pagar-lhe 185 milhões de dólares em honorários relativos à prestação de serviços de consultoria. Contas feitas, o fundador da empresa, que tem sido apontado como um dos principais responsáveis deste desfecho, leva para casa cerca de 1,7 mil milhões de dólares com este resgate.

De acordo com o The Wall Street Journal, apesar do afastamento da administração, Neumann vai manter uma ligação à empresa. Permanecerá como observador do board e também como acionista.

Queda vertiginosa

A espiral de crise em torno da companhia começou quando o prospeto da oferta para a entrada na bolsa revelou sérias dúvidas em relação à estabilidade financeira da empresa e alguns problemas ao nível de governação.

Um dos que fez correr mais tinta foi o facto de a WeWork, cuja holding mudou recentemente de nome para The We Company, ter adquirido os direitos de utilização da marca “We” a uma empresa controlada pelo próprio CEO, Adam Neumann, por uma soma milionária. Mais tarde, a imprensa internacional revelou pormenores da liderança pouco ortodoxa do fundador, referindo um episódio de transporte ilegal de canábis num jato privado, entre outras coisas.

Recentemente, a WeWork esteve prestes a entrar em bolsa.Ajay Suresh via Wikimedia Commons

Depois de falhar a entrada em bolsa (IPO), a avaliação da WeWork caiu a pique e o fundador viu-se obrigado a apresentar a demissão, tendo ficado com um cargo não executivo mas continuando a ter influência significativa nos destinos da startup.

No entanto, as tentativas da nova administração de reduzir largamente os custos, através de vendas de ativos e despedimentos, não foram suficientes para inverter a tendência. A empresa continua em sérias dificuldades financeiras e a preparar despedimentos e, eventualmente, vendas de ativos.

Este resgate significa que o multimilionário Masayoshi Son e líder do grupo SoftBank está disposto a injetar ainda mais capital na empresa para evitar uma nódoa maior no portefólio. A proposta dos japoneses foi escolhida pela administração da empresa em detrimento de outra que estava a ser preparada pelo próprio banco JPMorgan, o mesmo que trabalhou com a startup no IPO falhado.

No início deste mês, Masayoshi Son admitiu, numa entrevista à revista Nikkei Business, estar “embaraçado e impaciente” com alguns dos negócios levados a cabo pelo SoftBank. A empresa foi responsável pela criação do Vision Fund, um fundo de investimento em tecnologia de 100 mil milhões de dólares, sendo uma boa parte do capital controlado pelo fundo soberano da Arábia Saudita.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h23)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SoftBank resgata WeWork e afasta polémico fundador da empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião