Transportes públicos vão ficar mais caros. Preços sobem 0,38%

  • ECO
  • 25 Outubro 2019

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes atualizou as tarifas dos transportes coletivos em 0,38%, para 2020, tendo em conta a evolução da taxa de inflação.

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes atualizou as tarifas dos transportes coletivos em 0,38%, a partir de 1 de janeiro de 2020. A alteração foi anunciada através de um comunicado onde se explica que a subida resulta do valor da taxa de variação média do Índice de Preços no Consumidor, exceto habitação, nos 12 meses que decorrem entre outubro de 2019 e setembro de 2020.

Apesar da fixação deste valor, a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes admite que as várias autoridades de transportes podem “fixar taxas diferenciadas”, “tendo em conta as componentes integrantes dos custos de exploração e/ou ponderação de componentes dos custos do transporte público, como sejam a variação de custos salariais médios, a variação de custos energéticos médios, a evolução do diferencial entre proveitos e custos com o serviço público de transporte de passageiros”, pode ler-se no comunicado divulgado esta sexta-feira.

Este ano, as tarifas aumentaram 1,14%, de acordo com a decisão do organismo anunciada no final de 2018.

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes explica ainda que até 1 de dezembro deste ano, os operadores devem comunicar, a cada uma das autoridades de transportes uma lista com todas as tarifas que pretendem praticar nos títulos de transporte. A entidade acrescenta ainda que as tarifas de venda ao público resultam do arredondamento, “quando aplicável para os cinco cêntimos de euro mais próximos”.

A Autoridade dá um exemplo: perante uma taxa de atualização de 0,38%, partindo do princípio que não existe uma atualização tarifária extraordinária, o aumento não deve ser superior a este valor, mas pode ser inferior, “atualização a aplicar em cada tarifa não pode ser superior em 1,5 vezes a 0,38%” e a “aferição da atualização tarifária incide sobre as tarifas às milésimas antes do arredondamento”.

A atualização do preço entra em vigor a 1 de janeiro de 2020 e os preços devem ser afixados de modo “formal, clara e objetiva”, de forma a “garantir a transparência das relações entre entidades pública e privadas”.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transportes públicos vão ficar mais caros. Preços sobem 0,38%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião