Governo autoriza escolas a substituírem funcionários de baixa

  • ECO
  • 26 Outubro 2019

Ministério da Educação já deu luz verde às escolas para recorrerem às "bolsas de contratação" de assistentes operacionais. Diretores estimam que 10% dos funcionários estejam de baixa.

As escolas já têm autorização do Ministério da Educação para recorrerem às “bolsas de contratação” de assistentes operacionais, que o ministro Tiago Brandão Rodrigues prometeu em fevereiro. Com isto os estabelecimentos escolares já poderão substituir os funcionários que se encontram de baixa por mais de 30 dias, segundo avança o jornal Público este sábado (acesso pago).

Para o director da Associação Nacional de Directores e Agrupamentos e Escolas Públicas (Andaep), Filinto Lima, trata de “uma ótima notícia”, tendo em conta que se estima que os assistentes operacionais ausentes por doença somem cerca de 10% do total. A escassez de funcionários tem levado ao encerramento de várias escolas nas últimas semanas.

“O importante é que o processo de substituição decorra sem grandes burocracias”, afirmou Filinto Lima ao Público. Este responsável diz ter recebido na quarta-feira indicações do Governo sobre os procedimentos a adotar e que passa pela apresentação de um requerimento à Direcção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGESte), cujo parecer positivo terá posteriormente de ser validado pela Direcção-Geral da Administração Escolar (DGAE).

O Ministério da Educação assegura que “já existem dezenas de escolas que já estão a recorrer à reserva de recrutamento” para colmatar eventuais faltas temporárias, indicando mesmo que “a generalidade dos processos de recrutamento dos novos 1067 assistentes operacionais está já terminada”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo autoriza escolas a substituírem funcionários de baixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião