Empresa de trotinetas Voi encerra operações em Portugal

A startup sueca Voi decidiu abandonar o mercado português, menos de um ano depois de ter anunciado o lançamento em Lisboa. A empresa já não tem equipa no país.

A empresa de trotinetas elétricas Voi vai abandonar o mercado português, menos de um ano depois de ter lançado as operações, justificando a decisão com as condições regulatórias e de mercado. A startup sueca torna-se, assim, o primeiro operador de trotinetas elétricas a assumir, de forma efetiva, que optou por fechar o negócio no país.

“Lamentamos anunciar que decidimos encerrar as nossas operações em Lisboa e, de forma efetiva, em Portugal. A decisão de deixar Portugal foi feita depois de uma ponderação cuidada”, informou a empresa numa nota escrita em inglês. A Voi tinha entrado no país em dezembro de 2018, dois meses depois de ter sido fundada na Suécia, e chegou a estar disponível noutras regiões, como o Algarve. Ao que o ECO apurou, a equipa operacional em Portugal foi dispensada e já não se encontra em funções.

Do ponto de vista do mercado, a startup reconhece a “desorganização” e a “insegurança” que têm vigorado em Portugal no negócio das trotinetas elétricas partilhadas. Só a cidade de Lisboa conta com mais de uma dezena de operadores e a presença de milhares de trotinetas elétricas nas ruas tem vindo a ser criticada em várias frentes, por surgirem, muitas vezes, no meio do passeio ou à frente de passadeiras.

Atualmente, as empresas de trotinetas elétricas em Lisboa — o maior mercado no país — têm de pedir à Câmara Municipal de Lisboa uma simples autorização para operar, sujeita a alguns requisitos, como o da partilha de informação em tempo real da localização das trotinetas elétricas com a autarquia. No comunicado, a Voi critica este modelo, dizendo acreditar que os portugueses beneficiariam de um modelo de licenciamento formal, ou mesmo de “leilão” de licenças, como o que ocorreu em Madrid (Espanha).

“Um processo desse tipo permitiria à cidade regular os operadores de micro-mobilidade através de requerimentos e regulamentos, criando efetivamente regras iguais de concorrência para um número limitado de operadores sérios que podem investir em Lisboa a longo prazo e ajudar a cidade a cumprir os seus objetivos de mobilidade e sustentabilidade”, indica a Voi na mesma nota.

“A nossa prioridade agora é cuidar dos nossos trabalhadores e parceiros que são afetados por esta decisão e garantir que fechamos as operações em Portugal de forma responsável e efetiva. Nas próximas semanas, vamos recolher todas as trotinetas elétricas em Lisboa e garantir que não deixamos qualquer veículo para trás”, promete a empresa, que deixa em aberto a hipótese de regressar a Lisboa “no futuro”.

O encerramento das operações da Voi em Portugal surge dois meses depois de a concorrente Lime anunciar que está a “avaliar” a estratégia no país.Hugo Amaral/ECO

A notícia do fim da Voi em Portugal surge dois meses depois depois de a concorrente Lime, pioneira neste negócio no país, ter anunciado o encerramento das operações na cidade de Coimbra, encontrando-se a “avaliar” a estratégia em Portugal. Ambas as decisões evidenciam um mercado que cresceu de forma pouco sustentável num período de escassos meses, com a entrada repentina de dezenas de operadores na cidade de Lisboa.

“Ao fim de seis meses de operação na cidade dos estudantes, a Lime […] anuncia que irá interromper a circulação em Coimbra. A marca vai avaliar a estratégia de negócio e expansão em Portugal, pretendendo regressar com uma oferta de qualidade e mais abrangente”, disse a startup norte-americana, no passado dia 15 de agosto. A empresa entrou em Portugal no início de outubro de 2018, dois meses antes da chegada da Voi.

Mas estes não foram os únicos recuos neste setor. As operações da Wind em Portugal “estão suspensas” e também já não se veem trotinetas das marcas Bungo e Tier nas ruas da capital, segundo o Dinheiro Vivo. Ainda assim, o fundo de investimento português Indico Capital Partners injetou 3,25 milhões de euros na Tier em junho deste ano.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h52)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa de trotinetas Voi encerra operações em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião