Governo italiano cria grupo de trabalho para acompanhar fusão entre PSA e Fiat Chrysler

  • Lusa
  • 3 Novembro 2019

O ministro italiano do Desenvolvimento Económico diz que a fusão dos dois grupos automóvel pode relançar o setor. Apesar disso, o governante revela preocupações com o emprego e a produção em Itália.

O Governo italiano decidiu convocar um grupo de trabalho permanente na sequência do anúncio da eventual fusão entre a italiana Fiat Chrysler e a francesa PSA para acompanhar e analisar as mudanças no setor automóvel.

“A fusão entre a FCA e a PSA é uma operação que constitui uma potencial oportunidade para relançar o setor automóvel, uma mudança de perspetiva nacional, já que cria um ‘campeão europeu’ da indústria”, afirma o ministro do Desenvolvimento Económico e membro do Movimento 5 Estrelas (M5S), Stefano Patuanelli, numa carta enviada ao diário italiano La Stampa e publicada no seu perfil do Facebook.

Patuanelli aplaude esta iniciativa entre os dois grupos, que criará o quarto colosso do motor do mundo, com sinergias estimadas em 3.700 milhões de euros, mas reconhece que gera algumas preocupações, especialmente no que se refere ao emprego e à produção em Itália.

“Por estas razões, decidimos convocar um grupo de trabalho permanente sobre automação no ministério, que terá como objetivo procurar ferramentas, também normativas, para fazer face às mudanças no setor”, disse.

O ministro italiano considera que esta indústria “vai experimentar uma mudança profunda nos próximos anos”, devido ao desenvolvimento das novas tecnologias, a transição para os veículos elétricos e a procura dos clientes, “que exigirá comprar mobilidade”, e por isso acredita que a política deve assumir “decisões estratégicas, de visão, de longo prazo, incluindo quando estas possam conduzir à perda de apoio do eleitorado”.

Neste sentido, o ministro citou o imposto que aprovou o anterior executivo, do M5S e da Liga, e que penaliza os automóveis mais contaminantes para incentivar a compra de veículos que protejam o meio ambiente, e também os investimentos desenvolvidos no país na denominada indústria 4.0, ou seja a das fábricas inteligentes.

O ministro defende que o Governo deve favorecer a transição tecnológica das empresas e assumir “medidas estruturais que beneficiem o tecido produtivo do país”.

Em 31 de outubro, o grupo francês PSA, fabricante da Peugeot, e a ítalo-americana Fiat Chrysler (FCA) anunciaram ter acordado “por unanimidade” uma “fusão das atividades dos dois grupos” para criar uma nova entidade com sede na Holanda.

“Os acionistas dos dois grupos passariam a deter, respetivamente, 50% do capital da nova entidade e, portanto, iriam partilhar em parte igual dos benefícios desta fusão”, é referido num comunicado conjunto.

O Conselho de Administração será composto por cinco membros nomeados pela Fiat-Chrysler e outros cinco pelo PSA, incluindo o português Carlos Tavares, como diretor-geral.

O ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, congratulou-se com “o início das negociações entre os dois grupos”, mas prometeu que o Estado, acionista em 12% da PSA, vai continuar “particularmente vigilante” sobre o impacto na indústria francesa.

A fusão entre as duas construtoras será feita sem o “encerramento de fábricas”, garantiram as duas sociedades no mesmo comunicado conjunto, no qual precisaram que as sinergias anuais estão estimadas em 3,7 mil milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo italiano cria grupo de trabalho para acompanhar fusão entre PSA e Fiat Chrysler

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião