Subir salário mínimo para 750 euros? CCP não apoia “leilão” de valores ditados “por razões táticas”

João Vieira Lopes diz ao ECO que a evolução do SMN tem de assentar em indicadores económicos e não num "leilão" de valores "ditados por razões táticas e de conjuntura".

Ainda que reconheça que o salário mínimo nacional tem uma componente social de combate à pobreza, o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) salienta que a evolução dessa remuneração tem sempre de “ter em conta a evolução dos indicadores económicos”. A CCP não concorda “com uma espécie de ‘leilão’ entre partidos e sindicatos, com a apresentação de valores frequentemente ditados por razões táticas e de conjuntura“, garante João Vieira Lopes, em declarações ao ECO.

No discurso de tomada de posse, o primeiro-ministro defendeu a subida do salário mínimo para 750 até 2023, começando a ouvir a esse respeito os parceiros sociais, esta quarta-feira. Isto porque, de acordo com o Código do Trabalho, a evolução da remuneração mínima mensal garantida é definida anualmente por legislação específica, depois de ouvida a concertação social.

Em declarações ao ECO, o presidente do CCP defende que a evolução do salário mínimo no curso desta legislatura deveria seguir uma mesma “metodologia geral a aplicar anualmente”, discutindo-se ano a ano o indicador social “como uma majoração”, “mas tendo sempre em conta a evolução económica”.

João Vieira Lopes sublinha: “O salário mínimo tem um enquadramento económico que, no contexto atual e em resultado dos indicadores quantitativos tradicionais (inflação, crescimento da economia e produtividade), implica um crescimento baixo. Sempre admitimos que o salário mínimo tem também uma componente social de combate à pobreza. Por isso, defendemos a definição de uma metodologia geral a aplicar anualmente. Em cada ano, o indicador social deveria ser discutido e acordado em concertação social como uma majoração, mas tendo sempre em conta a evolução económica”.

Além disso, o líder da CCP defende que, a par da subida do salário mínimo, devem ser fixadas políticas para as empresas que “tornem viável” esse aumento. Entre essas medidas, sugere João Vieira Lopes, devem estar incentivos a projetos de “fusão, associação e trabalho em rede”, a redução da carga fiscal e de vários custos de contexto como os da Justiça e a promoção da formação tanto para trabalhadores como para os empresários das pequenas e médias empresas e microempresas.

João Vieira Lopes salienta, por outro lado, que há “várias formas de aumentar o rendimento disponível” das famílias, além de reforçar o salário mínimo nacional e que têm “reflexos importante no consumo e na poupança”, nomeadamente a redução da carga fiscal imposta às empresas, o que “favorece naturalmente a subida dos salários”.

E sobre a diminuição do número de trabalhadores a receber o salário mínimo — que o Governo tem usada como bandeira — Vieira Lopes é descarta uma ligação entre o aumento do salário mínimo e o aumento generalizado dos rendimentos e remata: “O que levou à situação referida resulta do crescimento da economia, que superou as previsões. Este fator económico positivo teve um contraponto negativo que é a escassez de mão-de-obra qualificada, que provoca naturalmente a subida dos salários”.

O ECO também questionou a Confederação do Turismo de Portugal (CTP), que remeteu as suas declarações para o contexto da Comissão Permanente de Concertação Social. Ainda assim, Francisco Calheiros sublinhou: a CTP “defende, como sempre o fez, a necessidade de encontrar um equilíbrio razoável entre o aumento do salário mínimo e as condições da economia nacional e também a existência de uma política de rendimentos a quatro anos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subir salário mínimo para 750 euros? CCP não apoia “leilão” de valores ditados “por razões táticas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião