Bolsa reduz horário? Euronext está disponível para conversar

Representantes da banca de investimento enviaram uma carta às bolsas europeias a pedir um corte no horário de negociação. A Euronext manifestou-se “disponível para iniciar um diálogo".

Os bancos de investimento consideram que as bolsas europeias abrem cedo de mais e por isso pediram a várias bolsas para adiar a hora de abertura. A Euronext já reagiu. Em declarações ao ECO assumiu a redução do horário de negociações das bolsas europeias é um “assunto delicado”, mas manifestou-se “disponível para iniciar um diálogo com todos os participantes no mercado”.

“A Euronext está disponível para iniciar um diálogo com todos os participantes no mercado, incluindo empresas cotadas, membros do mercado, bem como com a comunidade de gestão de ativos”, afirmou fonte oficial da Euronext, reagindo assim à notícia avançada pelo Cinco Días, de que a Associação de Mercados Financeiros a Europa (AFME) e a Associação de Investidores (IA) enviaram uma carta às bolsas europeias a solicitar uma redução do horário de funcionamento em 90 minutos.

A proposta que está em cima da mesa prevê assim o adiamento de uma hora no arranque da sessão e a antecipação em meia hora do encerramento. No caso da bolsa nacional, isto significaria que deixaria de funcionar entre as 8h00 e as 16h35, para passar a negociar entre as 09h00 e as 16h00.

Relativamente à missiva enviada pelos representantes da banca de investimento, a Euronext afirmou ainda que, não obstante a disponibilidade para dialogar, se trata de “um assunto delicado que envolve a qualidade do mercado, a qualidade de vida, bem como a competitividade da Europa no que respeita à cobertura relativa às diferenças horárias (time zone)”.

Está ainda em causa “a cadeia de valor da negociação e vários outros aspetos, os quais, sem exceção, merecem a nossa séria consideração e interação nos dois sentidos, com o ecossistema financeiro”, acrescentou ainda fonte oficial da Euronext.

A redução de 90 minutos do horário de funcionamento das bolsas europeias, segundo as associações representantes da banca de investimento, permitiria “mercados mais eficientes, o que beneficiaria os aforradores e investidores”.

“Atualmente, a primeira hora de negociação, de uma forma geral, atrai pouca liquidez e, por outro lado, é um período mais caro para operar, enquanto a última hora atrai em torno de 35% do volume total diário”, sustentam.

Essa modificação no horário concentraria a liquidez, o que levaria a custos de negociação mais consistentes e daria às operadoras e ao próprio mercado mais tempo para assimilar e digerir comunicados das empresas, de acordo com o defendido pela AFME e IA.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa reduz horário? Euronext está disponível para conversar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião