Wall Street liga “máximos” com acordo comercial à vista

Bolsas norte-americanas abriram a sessão de quinta-feira a pulverizar recordes com os investidores otimistas em relação às negociações entre EUA e China para resolver disputa comercial.

Há progressos nas negociações entre americanos e chineses no que toca à disputa comercial que tem oposto as duas partes nos últimos meses. E é na perspetiva de tréguas na guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo que estão a dar força a Wall Street no arranque da sessão desta quinta-feira. As bolsas do outro lado do Atlântico renovam máximos de sempre.

As autoridades chinesas adiantaram que chegaram a um acordo com os EUA para retirar as tarifas gradualmente, em várias fases, enquanto a agência estatal chinesa Xinhua revelou que Pequim está também a considerar remover as restrições nas importações de aves domésticas, segundo avança a agência Reuters.

Neste cenário, o índice de referência mundial S&P 500 avança 0,44% para 3.090,38 pontos, e tudo indica que o saldo da semana vai ser positivo pela quinta vez consecutiva. Também o tecnológico Nasdaq soma 0,45% para 8.462,38 pontos, e vai a caminho da sexta subida semanal. O industrial Dow Jones também abriu a sessão em terreno positivo: está em alta de 0,46%.

Ações mais sensíveis aos acontecimentos na frente comercial como a 3M e a Caterpillar avançam 1,45% e 1,71% para 176,53 dólares e 147,98 dólares, respetivamente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street liga “máximos” com acordo comercial à vista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião